Meus contatos com Marco Maciel

Faleceu neste sábado, 12 de junho, aos 80 anos, o político brasileiro Marco Maciel que, dentre os muitos cargos ocupados, foi deputado, senador e vice-presidente da República, Ministro de Estado da Educação e Cultura e Ministro-chefe do Gabinete Civil da Presidência da República.

Acho que foi nestes dois últimos cargos ocupados que eu, com então meus treze anos, remeti uma carta à pasta da Educação do país falando dos meus sonhos poéticos e musicais naquela época. Mas era um tempo em que música era algo sério e não se conseguia gravar tão fácil como hoje.

No entanto, alguns dias após a emissão de minha carta, recebi um telegrama do Ministro Marco Maciel me orientando a buscar, uma instituição em Fortaleza onde pudesse adentrar no universo da música com mais profundidade, e talvez, de lá, eu pudesse conseguir meu intento de ser um músico. Pedia que lhe desse notícias sobre o que eu iria fazer que, talvez, fosse possível conseguir uma bolsa.

Eu tinha treze anos, professores e familiares ficaram impressionados com o telegrama de tão alto nível de um Ministro a uma criança. Não segui os conselhos do ministro, tudo era difícil demais naquela época.

Ano após ano, porém, chegavam cartões natalinos e de felicitações assinados por Marco Maciel à casa de meu tio Chico Muniz destinados ao Sr. Caio César Muniz. Eu me sentia importante por aquilo. Muito tempo depois descobri que aquilo era praxe, todo político mantém alguma lista de contatos permanentes para onde são enviados felicitações e outros mimos. Hoje ele partiu. Politicamente talvez estivéssemos em lados bem opostos, mas a lembrança juvenil sempre o teve em bom lugar, espero que esteja bem e obrigado pela atenção dada para aquele jovem sonhador.