Rivelino da Panelada – Bebericanto com Amós Soares

Herdado de família, tanto a tradição da venda de panelada e o ponto, muito bem conhecido e frequentado, no Mercado do Alto da Conceição, a atividade de Rivelino da Panelada nos orgulha, nos deixa de peito estufado, por sermos nordestinos, por termos nascido deste lado de cá do planeta e ter a oportunidade de desfrutar desse prato típico, bem aqui, quase na varanda ou no quintal de casa. Em Mossoró tudo é perto.

Confesso a você, bom leitor que quase que ficávamos sem esse nosso diálogo dominical, isso devido a motivos de força maior. Propositadamente já aviso que futuramente, por causa de tudo que possa acontecer, poderemos não ter a nossa boa conversa, isto um ou outro domingo, mas a regra é que continuemos a nos ver por aqui.

Voltando a Rivelino da Panelada, quero dizer que frequento o espaço dele, no Mercado do Alto da Conceição, desde que passei a poder frequentar. E nunca mais tinha ido lá, hoje fui. Estava saindo de um plantão movimentado de quase 36 horas de trabalho e fui lá, na companhia de um amigo e degustei da iguaria junto, claro, de algumas discretas doses de cana.

 

E aí, qual é a boa?

A boa é um cozido de peças de boi (bucho, tripa, unha) que resulta num prato pesado e saciante. Levanta até defunto. Harmoniza com todo tipo de bebida, a seu gosto.

Desde menino e por influência de meu avô, uma das receitas mais típicas do Nordeste brasileiro, a panelada é prato marcante em nossa família, em minha casa, na minha mesa e sobretudo em Mossoró, terra onde tantos e tantos comerciantes sobrevivem com a venda desta iguaria. Cá pra nós, a panelada de Rivelino regada a doses de cana me perdoe a heresia, é algo bento. Sobrenatural. Até a próxima.