Reminiscências: WILSON BEZERRA DE MOURA

 

WILSON BEZERRA DE MOURA

 

PAPOÃO PAULO II – EM TERRAS BRASILEIRASA J

 

Sempre acontece o possível. Morre a pessoa, fica a história, boa ou ruim, a depender da personalidade que a construiu.

Quando das minhas pesquisas, me deparei com uma notícia veicula nos arquivos Raibrito, quando da passagem do Santo Padre o Papa João Paulo II, isto pelos de 1980, momento em que visitou 23 capitais brasileiras.

O Papa João Paulo II, por livre vontade e o desejo de pregar a paz e a igualdade entre as criaturas, pisou em terras de regiões pobres, as favelas brasileiras, conheceu de perto a precária vida daquela gente, conheceu a verdadeira desigualdade que impera entre as criaturas.

Sem sombra de dúvidas o papa filósofo, estadista, intelectual, poliglota veio assumir seu mandato com a intenção de pregar o sacerdócio por meio da visita a cada nação e povo, fazendo-se conhecido, pregando o sentimento de igualdade que deve prevalecer entre as criaturas, pregando como plataforma de sua gestão principalmente a paz, necessária ao estimulo de vida.

Sua palavra não era o suficiente para manifestar o desejo de paz. As 14 encíclicas por ele escritas foram um dos legados por ele deixado para consolidar os princípios sentimentais de paz e amor ao próximo.

A manifestação de carinho dos brasileiros ocorreu quando o ex-presidente João Batista Figueiredo e o deputado Luiz Inácio da Silva recepcionaram o polonês Karol Wojtyla, João Paulo II, que se investira de um mandato de 26 anos para cumprir uma agenda de solidariedade humana e religiosa em favor da grande causa social ao assumir, em 1978, a cadeira papal.