Reminiscências – Padre Elesbão de Nossa Gente

Wilson Bezerra de Moura

Sobre o mossoroense padre Elesbão da Nóbrega Gurgel de Oliveira, a história registra como da terra de Santa Luzia.

Muito bem lembrada sua passagem no exercício ministerial, porque ele percorreu muitos caminhos em missão sacerdotal, em Teresina, ocasião em que foi ordenado na catedral daquela metrópole presbítero, atingindo ordens maiores pelas mãos de Dom Joaquim, após deixar aquele Estado, vindo para a diocese de Natal e assumindo o cargo de capelão.

Um trajeto bem percorrido e produtivo na missão clerical, quando atuou em Caraúbas na condição pároco, além de atuar nas paróquias de Augusto Severo, Apodi, Areia Branca e Mossoró, na condição de pároco do Coração de Jesus, nomeado pelo bispo natalense José Pereira Alves.

O Padre Elesbão, foi o segundo sacerdote mossoroense, porque o primeiro foi padre Francisco Longino Guilherme de Melo, de tradicional família fundadora da terra de Santa Luzia. Decerto o padre Elesbão foi mais um nome registrado na história de Mossoró.

Filho de Francisco Gurgel de Oliveira, notável político na região, e dona Apolônia Nobrega Gurgel, nascido aos 27 dias do mês de outubro de 1881, viveu intensamente o Ministério Sacerdotal até os 60 anos de vida, falecendo em 27 de fevereiro de 1941.

Teve a glória, o padre Elesbão, de não só desempenhar suas atribuições eclesiásticas, como ter deixado à posteridade uma memória digna de ser relembrada como exemplo à sociedade que o sucedeu.

Sua cidade o eternizou com o nome de uma rua no bairro Boa Vista.