Reflexões Teológicas

Ricardo Alfredo

PENSAMENTO

“Ninguém, jamais, poderá apagar a espera. (Escritor: Ricardo Alfredo)

 

POLÍTICA – Em análise: “abuso do poder religioso”

“Não há afirmação mais política do que dizer que política e religião não se misturam” – Desmond Tutu

A ideia de controle social/político dos evangélicos, foi motivado pelas últimas eleições, e está discursão tomou corpo, visto que alguns desavisados, esqueceram que os evangélicos também são cidadãos de pleno direito. E como não é possível controla a massa cristã, estão buscando uma forma jurídica de controla e impor seus conceitos e metas.

Claramente, o voto do Min. Edson Fachin no TSE, no qual propôs, para o pleito de 2020, o reconhecimento de um tal “ilícito” como “abuso de autoridade, ” gerou no seio religioso uma desconfiança ímpar, em relação a imparcialidade dos julgadores. Em termo gerais, na fala do ministro fico evidente que: O “culpado” seria punido até com a cassação do mandato e religiosos sentenciados concomitantemente. Na raiz da questão, está a ideia vigente, controlar de forma jurídica a opinião e os votos dos evangélicos e dos religiosos.

O ministro é um intelectual jurídico, e um professor brilhante dentro da carreira acadêmica. Porém, assim como qualquer ser humano está sujeito a erros. Entretanto, nossa visão, como escrivão de província, é divergirmos desta ideia inconstitucional, visto que a teoria do “abuso de autoridade religiosa” não encontra respaldo na legislação.

O delito classificado como “abuso de poder religioso” é uma ofensa a Constituição, que é cidadã e progressiva, pois no seus fundamentos, principalmente no art. 1º, doutrina que: o pluralismo político e inclui entre os direitos e garantias individuais, no art. 5º, que “ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política”.

A constituição é rigorosa quando se trata da elaboração de modelos para proibir que o Poder Público crie “distinções entre brasileiros ou preferências entre si”, no inciso terceiro do art. 19, deixa claro que o estado é laico, e não desprovido de fé. E sendo assim, não é possível jogar fora os evangélicos e os religiosos do mundo político e da arena da luta partidária.

Por outro lado, é bom lembrar que classificar os evangélicos e os religiosos como autores de ilícitos penal eleitoral por voto e opinião é uma evidente discriminação, que podemos chamar de perseguição religiosa, em pleno século vinte e um, século da tecnologia. Assim como, uma coação psicológica, pois não há debate nesta temática para outros setores da sociedade, como: ambientalista, sindicalista, ruralista, bancada da bala e outros grupos que se organização para votar e ser votado. Por ventura vamos rubricar a perseguição a grupos? Ou tirar o simples exercício da liberdade de pensamento e convicção filosófica? Em que lucraria a sociedade se os religiosos forem proibidos de falar em política ou se organizar em grupos ou partidos? Não estaria, o STF criando um mostro jurídico? Pois as manifestações políticas de artistas, jornalistas, jogadores de futebol, intelectuais, professores e tantos outros grupos passaram a serem vigiadas e punidas, criando um estado de exceção. Ou somente os religiosos, classe perigosa, da qual faço parte, é uma categoria rebaixada de cidadãos que devem ser vigiados pelo alto grau de perigo que traz a sociedade? Por que só alguns têm que ficar amordaçados? As ditaduras não começam assim, amordaçando parte da sociedade? São questionamentos que precisamos fazer na clara do dia e não dentro de gabinetes obscuros.

A igreja de Jesus não precisa da política, ela é santa, imaculada, morena, que tem sua visão voltada para o reino eterno. Todavia, como cidadãos estamos cansados de vermos o mal se instalar nos corredores do poder e zombarem da fé e do altíssimo Deus. Somos cidadãos desta pátria e como tal termos o direito e o dever de construí uma nação digna, de homens e mulheres cheio de virtudes e amor ao próximo.

Portanto, a intenção dos cidadãos evangélicos, é não queremos o poder terreno, mais, queremos dignidade social, honra em ser brasileiro. Queremos andar no mundo e ser visto como pessoas dignas e honrada, e não como uma nação de corruptos, malfeitores e desonestos.

OS VERDADEIROS HERÓIS DA FÉ

Baseado na leitura das sagradas letras, (a Bíblia), termos uma série de heróis da fé. Homens e mulheres que enfrentam o sistema pela fé e prevaleceram contra a mal.

Mesmo rejeitados e humilhados, pelo domínio mundano, preferiram as dores de Cristo do que as riquezas e os prazeres momentos da vida.

Estes heróis, não receberam logo seus troféus ou medalhas, entretanto, fixaram seus olhos na gloria eterna e seguiram a sua jornada. Viveram de forma inteligente, com temor a Deus, em obediência as leis humanas, sem deixa de seguir os conceitos do Justo Juiz dos mundos e Senhor do universo.

Gemearam de dor, choraram, sofreram, apanharam, foram presos, humilhados, rejeitos, maltratados. Homens e mulheres que o mundo não era digno de recebe-los. Porém, cumpriram sua carreira e guardaram a fé.

  1. Abel: o filho primogênito de Adão e Eva, da iniciamos nossa galeria dos heróis da fé com Abel. No livro de hebreus (Hebreus 11:4), o escritor começa anunciando a santidade do amor e da inocência em Abel em servir sem ser servido. Foi Pela fé no invisível, que ele ofereceu um sacrifício mais extraordinário do que seu irmão Caim, pois o seu melhor ofereceu a Deus e Dele teve aprovação. As sagradas letras, o chama de justo e bom.
  2. Enoque: este personagem bíblico, viveu num período conturbado da humanidade, antes do dilúvio. Pela fé, Enoque obteve testemunho de haver agradado a Deus e foi transladado, sem ter conhecido a morte (Hebreus 11:5). Apenas dois personagens bíblicos, humanos, não viram a morte. um Enoque e outro o profeta Elias.
  3. Noé: ele recebeu da parte de Deus, por revelação, instruções de como construir uma arca para salvar sua família. O Senhor lhe avisou que a terra seria inundada por causa da pecaminosidade humana. Então Noé confiou em Deus acerca dos acontecimentos que ainda não se viam, por mais que aos olhos humanos, pareciam não fazer sentido. Pela fé, Noé construiu a arca e sobreviveu ao Dilúvio juntamente com sua família (Hebreus 11:7).

ANIVERSÁRIOS – MÊS DE AGOSTO – FELIZ DE LUZ, NASCEU MARIAH E ISABELLY.

As minhas filhas Mariah e Isabelly, neste mês de agosto está de idade nova.

Essas lindas moças são minhas filhas. Mesmo no silêncio da voz, eu sei que são amadas por Deus. E assim, agradeço imensamente a Deus pela proteção e amor que tem para conosco. Agradeço pela saúde de vocês, pelas suas conquistas! Que Deus continue iluminando as suas vidas! Não se esqueça… a generosidade e bondade, em dias escuros são pontos de amor. ensinar e amar é ser generoso e bom! Feliz aniversário, que Deus, continuei lhe abençoando com o seu amor e sua generosidade. Parabéns.

IGREJA DE 1.300 ANOS ENCONTRADA PERTO DO LOCAL DA TRANSFIGURAÇÃO

Destroços de uma igreja de 1.300 anos foram achados no mesmo local os pesquisadores dizem ser local da transfiguração, de acordo com um anúncio do governo de Israel.

A Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA, sigla em inglês) informou que uma igreja com piso de mosaico detalhado foi desenterrada em uma vila chamada Kfar Kama, localizada perto do Monte Tabor.

A escavação da igreja foi realizada pela IAA em colaboração com o Kinneret Academic College e liderada pelo arqueólogo Nurit Feig.

Diversos pesquisadores e teólogos, acreditam que o Monte Tabor é o local onde ocorreu a transfiguração, na qual, de acordo com Marcos 9: 2-9, Jesus mostrou Seu ser divino aos discípulos Pedro, Tiago e João.

Depois de seis dias, Jesus levou Pedro, Tiago e João com ele e os levou a um monte alto, onde estavam sozinhos. Lá ele foi transfigurado diante deles”, relata o texto bíblico.

“Suas roupas ficaram brancas deslumbrantes, mais brancas do que qualquer pessoa no mundo poderia branquear. E apareceu diante deles Elias e Moisés, que estavam conversando com Jesus.”

Para outros o monte da transfiguração foi o Monte Hermon. O que fica claro é que o milagre aconteceu como relata o Evangelho de Mateus 16:28, no qual Jesus prediz que alguns discípulos o veriam entrando no Reino antes de morrer.

“O monte Hermon é uma montanha muito mais alta, com mais de 3 quilômetros e é mais perto de Cesareia de Filipe, onde ocorreram os eventos anteriores em Mateus 16. Por esses motivos, alguns teólogos, pesquisadores e estudiosos acham que o Monte Hermon é um candidato mais provável a ser o Monte da transfiguração”, observou o site. (fonte: Folha Gospel com informações de The Christian Post)

 

 

VISÃO POLÍTICA

“O meu ideal político é a democracia, para que todo o homem seja respeitado como indivíduo e nenhum venerado”. (Albert Einstein)

 

MOMENTOS.

Não nada melhor do que momentos de leitura… viajando nas letras e nos pensamentos.

SESAP DIVULGA EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE 20 PROFISSIONAIS DA SAÚDE

A Sesap – Secretaria de Estado da Saúde Pública do Rio Grande do Norte, anunciou o seu edital para contratação imediata, e de forma temporária de 20 profissionais para exercerem a função de apoiadores técnicos na juntura da atenção básica e vigilância em saúde do estado.

As inscrições deveram ser realizadas por via internet, no endereço do site:https://selecao.saude.rn.gov.br/selecao/, tem início nesta sexta 07.08.2020 até a segunda-feira dia 10, do mês corrente.

O processo seletivo foi publicado na edição extraordinária do Diário Oficial do Estado (DOE), da quarta-feira (5).

O edital foca em profissionais de nível superior com bacharelado em saúde coletiva ou formação na área da saúde, com pós-graduação em saúde pública/saúde coletiva. Os profissionais devem cumprir carga horária semanal de 40h, com remuneração definida de acordo com a região de atuação. As 20 vagas foram distribuídas pelas 8 regiões de saúde do RN, da seguinte forma: São José de Mipibu (3); Mossoró (2); João Câmara (3); Caicó (2); Santa Cruz (2); Pau dos Ferros (3); Natal (3) e Assú (2). A publicação contempla, também, cadastro de reserva com 60 selecionados. 9fonte: (Fonte: queiroznews.blogspot)

PENSAMENTO

“O medo, age em vão quando sua espera é no eterno fanal”. (Escritor: Ricardo Alfredo)

POLÍTICA – O novo Ministro da Educação

Pastor Milton Ribeiro é o novo ministro da Educação no Brasil.

O presidente, eleito, Jair Messias Bolsonaro noticiou o novo nome para a pasta da Educação: o professor e pastor da Igreja Presbiteriana Milton Ribeiro que é Teólogo e advogado. O Ribeiro é ex-vice-reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Sua nomeação ocorreu no 10 de junho. como novo ministro da Educação. Ribeiro já fazia parte do governo como membro da Comissão de Ética Pública ligada à Presidência desde junho.

Apoiado por evangélicos, Ribeiro, que é pastor da Igreja Presbiteriana de Santos (SP), tem larga experiência acadêmica, pois além de sua formação em Teologia e Direito, possui um mestrado em Direito e um doutorado em Educação pela USP (Universidade de São Paulo) e já atuou como vice-reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie. (Fonte: gospel)

PENSAMENTO

“Se você quiser acreditar, ninguém pode roubar tua fé e tua esperança”. (Escritor: Ricardo Alfredo)

DIREITO – Síndrome da mulher de Potifar

Há uma profunda relação entre o Direito Penal com a Síndrome da mulher de Potifar, (síndrome – medicina conjunto de sinais e sintomas observáveis em vários processos patológicos diferentes e sem causa específica. figurado (sentido) figuradamente conjunto de sinais ou de características que, em associação com uma condição crítica, são passíveis de despertar insegurança e medo.).

Essa semelhança se depara no formato jurídico, que é abordado na relação onde o homem ou a mulher, tenta sair de uma relação abusiva ou mesmo de uma futura relação abusiva. E ele ou ela, dar início há acusações apócrifas (caluniosa, falso testemunho), tendo apenas o desejo de punir a pessoa que a desistiu da relação.

As sagradas letras, a Bíblia, é detentora em suas páginas da história de José. Ele era o melhor escravo de Potifar, (comprando num comércio escravista do Egito) que em pouco tempo recebeu de portifar a sua confiança para ser mordomo de sua casa. Com o passar do tempo e a presença de Deus em sua vida, o seu aspecto era melhor dos que os outros escravos, e por este motivo, atraiu a atenção e o desejo da mulher de portifar.

Em dia calmo, sem a presença de potifar em casa, a sua mulher arquitetou uma armadilha para deita-se com José, no que o fiel escravo respondeu: “Eis que meu amo não sabe nem o que há comigo na casa, e tudo o que tem ele entregou na minha mão. Não há quem seja maior do que eu nesta casa, e ele não me vedou absolutamente nada, exceto a ti, porque és sua esposa. Portanto, como poderia eu cometer esta grande maldade e realmente pecar contra Deus?” (Gênesis 39:8, 9)

Ao ouvir o não do escravo, a esposa de Potifar, transformou-se e o seu desejo se volveu em ódio e vingança. O não do escravo feriu o seu desejo e o seu orgulho.

Numa sala a parte, modelo escritório, José trabalhava, e ela sabendo dos seus horários, buscou dispensar todos os outros servos ficando sozinha sem José saber.  Ela adentrou a sala e agarrou José numa última tentativa de tê-lo como amante. Diz as sagradas letras: que ele agiu rápido. Ele tentou se livrar — mas ela o segurou pela roupa. Ele conseguiu fugir, mas sua roupa ficou nas mãos dela.

A fúria, o ódio e o desejo de vingança da esposa de Potifar, misturou com o desejo de fazer o mal. Ela pôr-se a gritar para que os outros escravos adentrassem na casa. Ela, entre lágrimas maldosas, falou a todos que José havia tentado estuprá-la e que fugiu quando ela gritou. Ela guardou a roupa que o incriminava e esperou seu marido voltar. Quando Potifar voltou, ela expôs a mesma mentira e colocou a culpa em seu marido por ter trazido um escravo para dentro de casa. Ordenando que José fosse lançado na cadeia a pão e água.

Com a chegada da Lei nº 12.015/2009, que acoplou-se a tipificação do art. 213 do Código Penal, que são classificadas penalizadas como condutas de estupro e atentado violento ao pudor, a Síndrome da mulher de Potifar auferiu força no nosso ordenamento jurídico, visto que, o crime de estupro passou a não exigir em todas as suas modalidades a conjunção carnal para se configurar.

naturalmente que ambas as condutas, tanto de estupro, como de atentado violento ao pudor, são condutas tratadas como crimes hediondos, nos termos da Lei nº 8.072/1990.

Este formato da lei, coibi a defesa do falso autor de delito e deixa-o vulnerável a sua a prova do contraditório. E assim, muitos são jogados no rol dos culpados sem direito ao devido processo legal. Como também ao princípio da presunção de inocência.

Compete ao Estado aplicar a Lei Penal, punido de forma exemplar, aqueles a quem é devida objurgatória justa. Diante deste viés, existe uma lacuna no Código Penal, que é reprimenda no título dos crimes contra os costumes relacionados a punição da mulher que se utiliza dos artifícios da Síndrome da mulher de Potifar.

No entanto, o Código é omisso e não faz isso, deixa os operadores do direito a missão de vasculhar no Código a norma aplicada ao caso.

De tal modo, que os erros são reiterados na aplicação da Calúnia, previsto o Art. 138 do CPB – Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime: Pena – detenção, de seis meses a dois anos, e multa. § 1º – Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. § 2º – É punível a calúnia contra os mortos. Mesmo previsto que é crime caluniar alguém imputando-lhe falso crime, na prática ainda ocorre em grande escala esta ação. Não obstante, parece não ter fim essa conduta reprovável, da mulher a qual o texto trata, visto que a sua ação faz a máquina pública trabalhar em vão e de forma dispendiosa.

A conduta cita é gravíssima, além de tentar culpar um inocente, é crime contra a administração da Justiça. Trata-se do crime de denunciação caluniosa, previsto, por sua vez, no art. 339 do CPB. Dar causa à instauração de investigação policial, de processo judicial, instauração de investigação administrativa, inquérito civil ou ação de improbidade administrativa contra alguém, imputando-lhe crime de que o sabe inocente: (Redação dada pela Lei nº 10.028, de 2000)

Pena – reclusão, de dois a oito anos, e multa.

  • – A pena é aumentada de sexta parte, se o agente se serve de anonimato ou de nome suposto.
  • – A pena é diminuída de metade, se a imputação é de prática de contravenção.

Comunicação falsa de crime ou de contravenção

VERDADES – No dia mal

“Escute a voz, ela é mansa e suave, como as águas tranquilas, a lhe dizer: “Contigo… Eu estarei”. (Escritor: Ricardo Alfredo)

A RESPONSABILIDADE DO SEU VOTO – nas eleições

A principal arma dos cidadãos no regime democrático é o voto. É através dele que o povo pode fazer valer a sua vontade e o seu legítimo poder. É pelo voto que cada cidadão participa dos destinos de sua nação. É pelo voto que ajuda a nação a mudar de rumo, que elimina os maus governantes, etc.
Diz a nossa Constituição que “todo poder emana do povo e que em seu nome é exercido”. Portanto, como dizem os sociólogos, “todo povo tem o governo que merece”. O governante sai do meio do povo e é escolhido pelo povo.

O cristão precisa exercer sua cidadania na construção de uma sociedade justa e solidária. Por isso é importante despertar o senso global das responsabilidades políticas.
Se o povo sabe votar bem e escolher homens e mulheres honestos e capazes para dirigir a cidade, o estado e a nação, então, esse povo terá bons governantes, honestos e justos, que saberão priorizar bens os recursos públicos, os impostos pagos pelos cidadãos, etc. No entanto, se o povo votar mal, escolher seus governantes por motivos escusos e egoístas, interesseiros, sem escolher bem os candidatos, então, terá certamente governantes que serão politiqueiros, e não políticos. Qual é a diferença entre uns e outros?

O político verdadeiro é aquele que governa e dirige “para o bem comum”; para o bem do povo; priorizando certamente os mais necessitados e as medidas mais urgentes que beneficiem a todos de modo geral. O verdadeiro político decide em função do bem comum e não de seus interesses eleitoreiros ou corruptos. Infelizmente muitos deles “se servem da política” ao invés de servir ao povo; muitos fazem da oportunidade de exercer um cargo público uma maneira de se enriquecer, empregar os familiares mais próximos, etc. É por isso que hoje o conceito dos políticos está lá em baixo; mas o povo tem culpa também nisso, pois é ele quem elege esses maus políticos. Se o povo escolhesse melhor, com mais consciência e seriedade, conhecendo cada um, as coisas seriam diferentes.

O verdadeiro político olha somente para o bem dos cidadãos e não para os seus interesses pessoais; não fica de olho “na próxima eleição”, mas realiza hoje o que é necessário para a cidade e para o povo, independente se isto ou aquilo que faz vai lhe dar mais ou menos votos. Aliás, o que dá voto é exatamente o bom governo, a honestidade e o caráter do governante.

Quantas obras importantes e urgentes de serem realizadas não são feitas, simplesmente porque “não dão votos”. Mas, a politicagem um dia aparece clara aos olhos do povo. Disse alguém que é possível enganar a muitos durante pouco tempo, ou a poucos durante muito tempo, mas que é impossível enganar a todos o tempo todo. Um dia a casa cai.

Para o cristão, a política tem uma importância enorme, tanto para aquele que é simples eleitor, como para aquele que é candidato a algum cargo. O eleitor cristão precisa ter em mente que quando ele vota está exercendo um certo poder, e Jesus disse que todo poder vem do alto e é dado por Deus.
Nos regimes totalitários, como o comunismo, o povo não pode votar com liberdade; as eleições são “simulacros de eleições”; mas nas verdadeiras democracias o povo vota livremente. Então o cristão tem dupla responsabilidade de votar bem, como cristão e como cidadão.

É pecado “vender” o seu voto ou votar mal; isto é, dar o seu voto a alguém que não merece, que ele sabe que não é competente e nem honesto. O cristão não pode votar com “segundas intenções”, só porque aquele candidato promete ajudar depois de eleito, com um emprego, facilidades outras, etc. O cristão deve votar com a consciência, escolhendo entre todos os candidatos o melhor, independente de interesses, sentimentalismos ou grau de parentesco ou amizade. Também disso vamos prestar contas a Deus um dia.

O cristão não pode votar em candidatos que sejam inimigos da fé católica ou da Igreja; especialmente aqueles que apoiam os procedimentos morais condenados pela Igreja: aborto, distribuição de “camisinhas”, distribuição de pílulas do dia seguinte, que são abortivas, eutanásia, manipulação de embriões, etc.
No entanto; às vezes o cristão pode se ver diante de uma situação em que não sabe em quem votar, uma vez que nenhum dos candidatos merecem o seu voto e não lhe inspiram confiança. O que fazer? Votar em branco? Anular o voto? Não; esta medida não resolve nada porque alguém será eleito de qualquer forma.

O que se deve fazer é votar no “menos ruim”, já que todos lhe parecem ruins. Votando em branco ou anulando o voto, podemos estar beneficiando o mais ruim.
Para que o cristão tenha uma participação ativa na política é necessário incentivar a conscientização e o debate dos problemas sociais em cada município, os problemas do estado e do país. Sem informação, sem estar inteirados dos problemas do povo, não se pode votar bem. É importante participar de debates, diálogos entre amigos e familiares no sentido de instruir os que não têm informações corretas para que não sejam manipulados pelas propostas eleitoreiras.

As Escrituras também nos admoestam a obedecer às autoridades (Rm 13.1,2), respeitando as leis e o governo civil, pois toda autoridade provém do Altíssimo e foram ordenadas por Ele (v.1), por isso o conselho paulino para intercedermos pelos governantes (1Tm 2.1-4). Contudo, tal obediência não pode ser cega e irrefletida. Todas as vezes que o Estado confrontar os princípios morais e espirituais decorrentes da Palavra, o cristão deve se preocupar em obedecer mais a Deus que aos homens (At 5.27-29), pois a sujeição à autoridade humana deve ser feita por amor ao Senhor (1Pe 2.13).

O maior instrumento para o exercício da responsabilidade política do cristão nos tempos atuais é o voto. Por meio dele elegemos as autoridades, do vereador do município ao presidente do país.

Os discípulos de Cristo devem votar de forma livre e consciente, o que implica em exercer o direito ao voto de modo refletido e com senso de responsabilidade, na busca pelo atendimento do interesse público (Fp. 2.4), à luz dos valores morais e espirituais extraídos das Escrituras.

Na prática, isso sugere que o voto deve ser precedido da avaliação dos candidatos e de suas propostas de governo, optando por aqueles que defendam princípios que estejam em consonância com os valores morais contidos na Palavra (Pv 2.8.28). Evidente a importância de se investigar a ideologia do candidato e de seu partido político, para não correr o risco de votar em candidatos que defendam propostas e projetos imorais que afrontem a família e os princípios éticos cristãos (2Tm 3.1-7). Lembre-se que ao votar no candidato, você também estará votando no seu partido político, podendo ajudar a eleger outros candidatos.

Devemos privilegiar candidatos que defendam a moral, os bons costumes, a família tradicional, a dignidade da pessoa humana e a defesa das liberdades, inclusive religiosa.

É preciso ainda ter cuidado com os falsos “políticos evangélicos”. Aproveitando-se do crescimento dos evangélicos no país, muitos candidatos assim se apresentam a fim de conquistar o eleitorado das igrejas cristãs. Esse contexto exige discernimento. O simples fato de alguém se apresentar como “irmão” não é suficiente para merecer o voto dos fiéis. Até mesmo tais candidatos precisam passar pelo crivo da avaliação, para averiguar se possuem compromisso com o Reino, bom testemunho público e capacidade para a atuação política. (Fonte: gospel)

 

VISÃO POLÍTICA

“Não são os políticos os que governam o mundo. Os lugares de poder, além de serem supranacionais, multinacionais, são invisíveis”. (José Saramago)

“Eu acredito na política, ela começou no reino de Deus. (Escritor: Ricardo Alfredo)

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO RN

AL provou por unanimidade, projeto de lei do Coronel Azevedo para ocorra a transparência em contratos emergenciais, visto que há uma onda de denuncismo em todo país.

O autor do projeto, o deputado estadual Coronel Azevedo (PSC), visa exigir o respeito a transparência nos contratos emergenciais firmados pela Administração Pública em razão da situação de calamidade decorrente da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), colocado em pleito, foi aprovado por unanimidade pela Assembleia Legislativa nesta quarta-feira dia 05.

Com a aprovação por unanimidade, a Casa Legislativa, enviou o Projeto para sanção da governadora Fátima Bezerra. Este documento, já aprovado, visa determinar que o Governo publique, no site do portal da transparência, em link específico para este fim, a relação dos contratos emergenciais firmados, por todos os órgãos estaduais, em referência à situação de calamidade decorrente da pandemia. (Fonte: AL do RN)

POLÍTICA – Quanto tempo para a censura alcançar o Evangelho?

Perseguição ao pensamento conservador é uma ameaça à Igreja.

Corremos sério risco sob nossos direitos e liberdades individuais neste país e, ao contrário do que possam imaginar alguns, também há riscos quando o assunto é liberdade religiosa. Já começo com esta pegada para dar o tom da conversa: quando os direitos de um são violados, acho que é hora de intervir e repensar o caso. Principalmente quando isso tem relação com a liberdade de expressão.

Falo caro leitor, sobre os recentes episódios envolvendo ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), cujas decisões violam a Constituição e colocam em risco a ordem legal. Isso importa para os religiosos? E muito! Os leitores — católicos, evangélicos, espíritas, judeus, umbandistas, etc. — devem saber que não existe nada mais valioso do que as garantias constitucionais que asseguram nossa liberdade.

Porém, pelo andar da carruagem, nem mesmo nossa Constituição tem valor garantido diante de uma Corte aparelhada e tendenciosa. O chamado ativismo judicial, a meu ver, representa um grave risco ao Estado Democrático de Direito. Mais do que isso, temos a sensação de que forças do mal se uniram em torno de um propósito: acabar com a liberdade.

Ora, como eu poderia estar exagerando, quando chegamos ao ponto de um ministro do Supremo reunir poder suficientes para, sozinho, censurar contas em redes sociais e mandar prender críticos sem nenhum respaldo legal? Se isso não preocupa aos líderes evangélicos, então temos um problema ainda mais grave. Não há como um ato tão violento contra a liberdade de expressão não causar estranheza e indignação.

O ministro Alexandre de Moraes, responsável pelo inquérito ilegal e inconstitucional das fake news, decidiu bloquear contas de empresários, jornalistas, políticos, blogueiros e militantes críticos ao Supremo no Twitter e Facebook. A decisão monocrática ataca diretamente as liberdades de pensamento e expressão. Se a moda pega, um pastor que opinar contra algum tema considerado negativo pelos ministros do Supremo poderá ser impedido de ter contas nas redes sociais.

Antes que prossiga: os líderes conservadores devem parar de criticar as novas mídias. Por que digo isso? As redes sociais são, sim, o melhor instrumento que temos para espalhar as Boas Novas e confrontar ideologias perversas que tentam desconstruir a cultura judaico-cristã. Se desprezamos no passado a transmissão televisiva como ferramenta de influência cristã, não podemos fazer o mesmo com as redes sociais.

Mas voltemos ao tema da censura. A ideia de calar vozes que se opõem ao progressismo e silenciar aqueles que discordam do pensamento esquerdista alcançará em breve o Evangelho. Isso está cada vez mais evidente, principalmente com a ideia de que a influência religiosa na política deve ser barrada. Como expôs o ministro Edson Fachin, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), querem um meio de punir o que chamam de “abuso de poder religioso”. Uma tese sem respaldo legal e eivada de preconceito.

Quem é o alvo desta tese falaciosa? Os cristãos, evangélicos e católicos. No entanto, a tese afeta a todos que carregam valores religiosos. Vamos ver: um umbandista decide, por exemplo, opinar em um terreiro sobre a violência contra sua religião, defendendo leis que reforcem sua liberdade de culto e orientando para que seu grupo religioso eleja seus representantes. Isso não seria enquadrado como “abuso de poder de autoridade religiosa”?

Constituição

Desde a primeira Constituição do Brasil, de 1824, a liberdade religiosa já era garantida. Na chamada Constituição Imperial, havia a proibição de perseguição por motivos religiosos, ainda que estabelecesse algumas regras sobre os cultos que não fossem da religião oficial do Estado, já que naquela época o Brasil ainda não era um país laico.

Foi somente com a promulgação da Constituição de 1891 que o Estado passou a ser laico, mas os direitos religiosos continuaram sendo preservados, sendo assegurados em todas as suas versões posteriores. Ao todo, o Brasil já teve sete Constituições, sendo que jamais abriu mão dos direitos de crença e liberdade religiosa.

E, por isso, qualquer tese que viole direitos por motivo de crença vai contra a Constituição. Aliás, tentar excluir a religião do debate público é um ato de preconceito e violação destes direitos. No artigo 5º está previsto que é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo que no inciso VI, assegura “o livre exercício dos cultos religiosos garantindo, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e as suas liturgias”.

O inciso VIII garante que “ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política”. Mas, como disse anteriormente, tem sido reiterado o desrespeito à Constituição Federal. O Supremo, que deveria ser o guardião da Carta Magna, tem usurpado competências, criado teses mirabolantes e ido muito além do que lhe é permitido.

Todavia, o Brasil é signatário desde 1948 da Declaração Universal dos Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), que defende em seu artigo 18 que “toda pessoa tem direito à liberdade de pensamento, de consciência e de religião; este direito implica a liberdade de mudar de religião ou de convicção, assim como a liberdade de manifestar a religião ou convicção, sozinho ou em comum, tanto em público como em privado, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pelos ritos”.

Portanto, entendo que esse argumento de “abuso de poder religioso” tem um objetivo em si, que é interferir no processo eleitoral, já que os cristãos têm ganhado cada vez mais importância política, enquanto a sociedade se conscientiza dos objetivos torpes da esquerda no país, já que nosso Brasil é de maioria conservadora e cristã.

Reitero que não concordo com militância partidária na Igreja. Não acho correto quando líderes cristãos colocam a imagem da instituição em políticos ou partidos. Mas não creio que instituições religiosas devam ser apolíticas ou deveriam ter seus direitos políticos cassados.

Bíblia

O cristão tem seus valores fundamentados na Bíblia, única regra de fé e prática. Isso significa que não devemos respeitar as autoridades? Ao contrário! A Palavra de Deus traz diversos textos que reforçam a importância de nosso respeito pelas autoridades constituídas. Devemos fazer isso “por causa do Senhor” (1 Pedro 2.13), sabendo que agindo assim estaremos honrando a Deus.

“Todos devem sujeitar-se às autoridades governamentais, pois não há autoridade que não venha de Deus; as autoridades que existem foram por ele estabelecidas.” (Romanos 13.1)

Lembrando sempre que, em relação a laicidade do Estado, foi o próprio Cristo que orientou: “Daí a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus” (Mateus 22.21). Isso significa a exclusão da Igreja em um cenário político? Jamais.

Quer dizer que devemos nos conscientizar das nossas responsabilidades com Deus e com as autoridades. É preciso separar bem as coisas.

Recentemente, li a acusação de que a participação de ministros evangélicos no governo seria uma forma de “abuso de poder religioso”. A afirmação é absurda e ultrajante para a democracia. Na infame teoria, um evangélico não poderia participar de um cargo público. Qualquer outro grupo pode ocupar cargos sem este tipo de comentário preconceituoso, mas tratando-se dos evangélicos, tudo é motivo de polêmica.

Cabe aí a pergunta: Quanto tempo para a censura alcançar o Evangelho? Um grupo de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) decidiu formar um “dossiê” sobre uma suposta “rede de desinformação” formada por líderes evangélicos. Para isso, eles assistiram cultos, pregações, opiniões e até profecias, acusando os pastores de desinformar.

Concluo dizendo, que se esta guerra travada contra o pensamento conservador continuar na direção que segue, logo veremos o Evangelho sendo censurado e criminalizado. Não demorará muito para os líderes religiosos serem punidos por suas falas dentro dos templos. Repudiar toda essa investida contra os direitos e apontar essas injustiças como repugnantes, é o dever da Igreja. (Fonte: gospel prime)

 

PENSAMENTO

“A política tem sido a arte de obter a paz por meio da injustiça”. (Teólogo: Agostinho Silva)

“A política deveria ser o desejo de servir ao povo. Porém, se tornou o desejo de ser grande e poderoso entre os homens.” (Teólogo: Ricardo Alfredo)

 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

1- No dia Tisha B’Av, pacientes da Covid-19 não poderão fazer jejum;

2- Debate: Hidroxicloroquina é ‘a chave para derrotar a COVID-19?

3- A Revolução do Egito para libertação;

4- Autoridades na China ordenam que cristãos renunciem a fé em Jesus;

5- Pastor pede liberdade de culto religioso em Curitiba; (fonte: searanews)

6- Cristãos são expulsos de casa por radicais hindus e autoridades ignoram denúncias;
7- Ariovaldo Ramos funda Bancada Evangélica Popular, grupo em defesa do socialismo;

VISÃO POLÍTICA

“São poucos os políticos que sabem fazer política. Mas, quando um intelectual tenta entrar nesse meio, então é o fim do mundo”. (Jorge Luís Borges)

“A eficácia das políticas públicas, somente são encontradas num coração que deseja servir”. Escritor Ricardo Alfredo)

 

PENSAMENTO

“Quando alguém compreende que é contrário à sua dignidade de homem obedecer a leis injustas, nenhuma tirania pode escravizá-lo”. (Gandhi)

“A liberdade de pensar, agir e querer, começa no coração” (Escritor Ricardo Alfredo)

O GRANDE AMOR DE DEUS

“Vede quão grande amor nos tem concedido o Pai, que fôssemos chamados filhos de Deus. Por isso o mundo não nos conhece; porque não o conhece a ele”. (1 João 3:1)

AT LAST

“Às vezes precisamos andar nos céus, com os pés no chão”. (Teólogo: Ricardo Alfredo)

A BUSCA…

“Para o alivio da alma cansada… vós apresento Cristo, o bom amigo”. (Escritor: Ricardo Alfredo)

 

 

 

DIA DOS PAIS

Estes dois anjos, é a minha avó-mãe e o meu avô-pai, Maria Lúcia e Alfredo Gabriel, já dormem. No entanto, como é dia dos pais, lembro-me que o meu avô me ensinou o caminho da decência, da bondade, da generosidade, da humildade e da educação. Mostrou-me o caminho da educação e com paciência me falou de amor ao próximo como fruto da sabedoria.

Ao olhar essa foto, meu coração de forma silenciosa, com os olhos cobertos de saudade e de lágrimas, que percorrem caprichosamente, reverência este grande homem.  Meu querido avô, daí onde estais, escute a minha voz, consegui, obrigado.

AS BELAS CANÇÕES DA MPB

Bendita És – Altemar Dutra

Começo a ter

Motivo agora pra viver

Pois te encontrei

Eu que sempre te esperei

Adormeci

No mundo triste

Mas amor me despertou

E pra vida me acordou

Posso sentir

Que és em fim

O verdadeiro amor que vem trazer

Uma razão

A um coração casando de sofrer

Bendita és

Porque hoje sou um homem mais feliz

Bendita és

Meu amor

Por teu riso, tuas mãos

Por minha paz

Minha ressurreição

Tu és o sol

Da manhã que despertou cheia de cor

És a vida, eu sou o amor

Eu sou feliz

E ninguém pode ser feliz mais do que eu

Pois igual ninguém sofreu

AMOL – Academia Mossoroense de Letras

 

Fundadores da academia mossoroense de letras – AMOL

 

MEU EU…

“O que me alivia, são os meus tristes ais. (Escritor: Ricardo Alfredo)

 

 

AMOL – lançamento do livro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VITRINE ALAMP

 

 

PROFÉTICO

Embaixador de Israel na ONU diz que ‘é hora de declarar soberania sobre Judeia e Samaria’

Danny Danon falou sobre a ‘anexação’ de Israel à Cisjordânia e disse que o termo é inapropriado para a situação, pois Israel já tem direito sobre essas terras.

 

Durante meses, uma das principais questões enfrentadas por Washington e Jerusalém tem sido a decisão de declarar soberania sobre grande parte da Judeia e Samaria — a Cisjordânia. Alguns acreditam que a oportunidade já passou, mas o embaixador de Israel na ONU Danny Danon disse em entrevista à CBN News que ainda há tempo para fazer a mudança histórica antes dos feriados judaicos de setembro e das eleições dos Estados Unidos em novembro.

“As próximas semanas são semanas cruciais para a tomada de uma decisão ousada, e você tem dois líderes que precisam tomar essa decisão”, disse Danon. O primeiro líder-chave é o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. O segundo são os Estados Unidos, o mais forte aliado de Israel.

Danon diz que o debate se transformou em uma questão de “anexação” — termo que ele afirma ser impróprio para a situação.

“Você não pode anexar algo que lhe pertence. Quando você lê a Bíblia, entende que a Judeia e a Samaria fazem parte de nossa terra natal, portanto não é possível anexá-la. Nós podemos aplicar soberania. E acho que devemos fazê-lo”, disse Danon.

Em maio de 2019, Danon se dirigiu ao Conselho de Segurança da ONU e disse que a ação de Israel na terra é a própria Bíblia.

No entanto, Danon diz que Israel é mais do que a promessa de Deus. Ele acredita que também se destaca no Direito internacional e na História. Ele aponta para a Conferência de San Remo de 1920, quando os líderes europeus prepararam o terreno para o estabelecimento de um lar nacional judeu.

“Em 1920, você tem a Conferência de San Remo, onde as superpotências estão se unindo e reconhecendo nossos direitos à terra. E então você volta a 1945 e vê quando a ONU foi estabelecida que eles realmente aceitaram acordos anteriores. Então, eles aceitaram a Conferência de San Remo e hoje, de acordo com a Carta da ONU, Israel tem direito às terras da Judeia e da Samaria”, disse Danon. (fonte: guiame.com.br)

Netanyahu perdeu seu objetivo em 1 de julho de declarar soberania e a questão divide sua atual coalizão israelense. Os EUA também expressaram hesitação em evidenciar o movimento controverso. Apesar desses e de outros desafios, Danon diz que agora é hora de agir.

“Sim, estamos lidando com a crise da Covid-19. Temos uma crise [econômica]. Mas, ao mesmo tempo, temos um amigo na Casa Branca. Temos um amigo que realmente está conosco e nos deu o apoio para seguir em frente”, disse Danon. “Quando você faz algo certo, você apenas faz. E é exatamente isso que temos que fazer hoje. Não podemos esperar um momento melhor para aplicar a soberania sobre as comunidades judaicas na Judéia e Samaria”.

 

MÚSICA GOSPEL – AS MAIS BELAS CANÇÕES CRISTÃS

Castelo Forte – Cantor Cristão

Castelo forte é nosso Deus

Espada e bom escudo

Com seu poder defende os seus

Em todo transe agudo

Com fúria pertinaz

Persegue Satanás

Com artimanhas tais

E astúcias tão cruéis

Que iguais não há na terra

A nossa força nada faz

Estamos, sim, perdidos

Mas nosso Deus socorro traz

E somos protegidos

Defende-nos Jesus

O que venceu na cruz

Senhor dos altos céus

E sendo o próprio Deus

Triunfa na batalha

Se nos quisessem devorar

Demônios não contados

Não nos podiam assustar

Nem somos derrotados

O grande acusador

Dos servos do Senhor

Já condenado está

Vencido cairá

Por uma só palavra

Sim, que a palavra ficará

Sabemos com certeza

E nada nos assustará

Com Cristo por defesa

Se temos de perder

Os filhos, bens, poder

Embora a vida vá

Por nós Jesus está

E dar-nos-á seu Reino

 

PENSAMENTO – solução

“Às vezes, é melhor a solidão, do que a incerteza de uma vida.” (Escritor: Ricardo Alfredo)

“A vitória sobre si mesmo é a maior de todas as vitórias”. (Buda)

Bíblia

“os sete sacerdotes, que levavam as sete buzinas de chifres de carneiros, adiante da arca do Senhor, iam andando, e tocavam as buzinas, e os homens armados iam adiante deles e a retaguarda seguia atrás da arca do Senhor; os sacerdotes iam andando e tocando as buzinas”. (Josué 6:13)

 

REFLEXÃO – Uma Análise da Boa Semente

Neste salmo, é perceptível o profundo anseio pela presença de Deus. Assim declara o salmista: “Como a corça anseia por águas correntes, a minha alma anseia por ti, ó Deus”.

Grande parte dos teólogos e pesquisadores compreendem que este salmo tem um formato de oração ou um diálogo introspectivo, visto que a firmação é: “Por que você está assim tão triste, ó minha alma? Por que está assim tão perturbada dentro de mim? Ponha a sua esperança em Deus! Pois ainda o louvarei; ele é o meu Salvador e o meu Deus”.

 E nesta guerra, fé e razão, o salmista se percebe e compreender que a fé consola a razão, apresentando-lhe um novo estimulo de confiança em Deus, o que gerou em seu coração intimidade como senhor.

De forma geral e humana, as dificuldades viram, todavia, a espera deve ser maior que a angustia. Logo diante dos problemas, os espectadores perguntaram: “Onde está o seu Deus?”. E essa afronta é motiva pela fé e pela espera não compreendida pelos espectadores.

Apesar disso, o Salmista não renuncia a sua fé diante da provação. Ele brada a Deus que lhe outorgue a graça e continua esforçando sua alma: “Por que você está assim tão triste, ó minha alma? Por que está assim tão perturbada dentro de mim? Ponha a sua esperança em Deus! Pois ainda o louvarei; ele é o meu Salvador e o meu Deus”.

Ou seja, a esperança dele é, que quando tudo acabar, haverá louvores a Deus em seus lábios.

 

Salmo 42

1- Como o cervo anseia pelas correntes das águas, assim a minha alma anseia por ti, ó Deus!

2- A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; quando entrarei e verei a face de Deus?

3- As minhas lágrimas têm sido o meu alimento de dia e de noite, porquanto se me diz constantemente: Onde está o teu Deus?

4- Dentro de mim derramo a minha alma ao lembrar-me de como eu ia com a multidão, guiando-a em procissão à casa de Deus, com brados de júbilo e louvor, uma multidão que festejava.

5- Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei pela salvação que há na sua presença.

6- Ó Deus meu, dentro de mim a minha alma está abatida; porquanto me lembrarei de ti desde a terra do Jordão, e desde o Hermom, desde o monte Mizar.

7- Um abismo chama outro abismo ao ruído das tuas catadupas; todas as tuas tuas ondas e vagas têm passado sobre mim.

8- Contudo, de dia o Senhor ordena a sua bondade, e de noite a sua canção está comigo, uma oração ao Deus da minha vida.

9- A Deus, a minha rocha, digo: Por que te esqueceste de mim? por que ando em pranto por causa da opressão do inimigo?

10- Como com ferida mortal nos meus ossos me afrontam os meus adversários, dizendo-me continuamente: Onde está o teu Deus?

11- Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, a ele que é o meu socorro, e o meu Deus.

 

Divisão teológica para estudo

1- Dos versículos1 – 4: a sede de Deus

2- Dos versículos5 – 7: dúvidas e perturbações que atormentam a alma

3- Dos versículos8 – 11: o bramido!

 

Salmos 42.1 – 4: a sede de Deus (a minha alma anseia por ti, ó Deus!)

1 Como a corça anseia por águas correntes, a minha alma anseia por ti, ó Deus.

2 A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo. Quando poderei entrar para apresentar-me a Deus?

3 Minhas lágrimas têm sido o meu alimento de dia e de noite, pois me perguntam o tempo todo: “Onde está o seu Deus?”

4 Quando me lembro destas coisas choro angustiado. Pois eu costumava ir com a multidão, conduzindo a procissão à casa de Deus, com cantos de alegria e de ação de graças entre a multidão que festejava.

Salmos 42.5 – 7: dúvidas e perturbações que atormentam a alma (A alma abatida)

5 Por que você está assim tão triste, ó minha alma? Por que está assim tão perturbada dentro de mim? Ponha a sua esperança em Deus! Pois ainda o louvarei; ele é o meu Salvador e

6 o meu Deus. A minha alma está profundamente triste; por isso de ti me lembro desde a terra do Jordão, das alturas do Hermom, desde o monte Mizar.

7 Abismo chama abismo ao rugir das tuas cachoeiras; todas as tuas ondas e vagalhões se abateram sobre mim.

 

 

Salmos 42.8 – 11: o bramido!

8 Conceda-me o Senhor o seu fiel amor de dia; de noite esteja comigo a sua canção. É a minha oração ao Deus que me dá vida.

9 Direi a Deus, minha Rocha: Por que te esqueceste de mim? Por que devo sair vagueando e pranteando, oprimido pelo inimigo?

10 Até os meus ossos sofrem agonia mortal quando os meus adversários zombam de mim, perguntando-me o tempo todo: “Onde está o seu Deus?”

11 Por que você está assim tão triste, ó minha alma? Por que está assim tão perturbada dentro de mim? Ponha a sua esperança em Deus! Pois ainda o louvarei; ele é o meu Salvador e o meu Deus.

Interpretação do Salmo 42

Versículos 1 a 4 – a sede de Deus (a minha alma anseia por ti, ó Deus!)

O desejo de sentir a presença de Deus em sua vida é expresso no inicio desta e salmo de forma primordial. Por outro lado, na sequencia do salmo, ele apresenta sua dor e seu sofrimento, porém, mesmo mediante o seu questionamento, ele decide cantar e adorar. O seu brado era: “com brados de júbilo e louvor” utilizando o verbo bramir para manifestar a sua sede espiritual por Deus.

Versículo 5 – dúvidas e perturbações que atormentam a alma (A alma abatida)

A pergunta: “Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas dentro de mim? Também está presente no salmo posterior, o que deixa claro para todos os pesquisadores que o salmo 42 tem sequencia no 43. Neste versículo, as lembranças da presença de Deus constante em sua vida e o eu coração cheio de alegria e espera era o maior motivo de viver.

Versículo 6 – Lembrarei de ti desde a terra do Jordão, e desde o Hermom, desde o monte Mizar.

Este versículo é especial, porque somente quem conhece a história bíblica dos hebreus é capaz de compreender o efeito desta lembrança na vida de Davi. Desde a Terra do Jordão e desde os hermonitas refere-se à terra prometida que o povo exilado um dia acreditou que lhes pertenceria.

Versículos 7 e 8 – As ordens de Deus

Os versículos 7 e 8 estão recheados das palavras, abismo, ondas, dificuldades e sofrimentos. De forma explícita, o rei entronado, está em profundo estado de depressão. Todavia, a sua esperança não é abalada pois ele sabe da eterna bondade de Deus e ora a Ele.

Versículos 9 e 10 – a opressão do inimigo

Em meio a depressão, a duvida e a dor na alma, o salmista expressão o seu desejo de ser ouvido e declara que sua única saída é Deus a sua rocha.

Versículo 11 – esperar em Deus

Diante de um quadro de dificuldades, dúvidas e dores, o salmista aprendeu que não poderia sozinho resolver e que a única solução seria esperar em Deus e na sua misericórdia.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *