Agentes municipais de trânsito flagraram 146 motoristas realizando transporte irregular de passageiros em 2015.

Redução de plantões diminui presença de agentes de trânsito nas ruas

Motivo de reclamação pela empresa que realiza o transporte público em Mossoró, o transporte de passageiros pelos táxis irregulares diminui a demanda dos ônibus em circulação na cidade.

Nos últimos meses, agentes da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (Semob) vinham fiscalizando três rotas do transporte público municipal para coibir a prática, mas, assim como o trabalho em relação aos táxis intermunicipais, a atuação dos agentes nestes pontos foi reduzida.

“A fiscalização do transporte irregular de passageiros está comprometida por causa da redução dos plantões. Fiscalizar o trânsito não é 10% da nossa competência, fazemos muito mais, como palestras em empresas escolas, atendimento de acidentes de trânsito, ocorrência de garagem, cobrimos diversos eventos na Cidade, entre outros”, disse o gerente executivo de trânsito da Semob, Marcondes Silva.

De acordo com o gerente, o trabalho de fiscalização do transporte irregular de passageiros na rota dos ônibus passou por redução após a deflagração da operação Desmob, do Ministério Público (MPRN).

Desde o final do ano passado, a operação Desmob investiga possíveis irregularidades na Semob, como o pagamento por plantões não prestados e exclusão irregular de multas, tendo causado o afastamento do ex-secretário da pasta, Charlejandro Rustayne.

No ano passado, 146 motoristas foram autuados pelos agentes da Semob por realizarem transporte irregular de passageiros no município. Foram emitidas multas a 93 taxistas clandestinos mossoroenses e a mais 153 táxis intermunicipais neste tipo de ocorrência durante o ano 2015. Além de multa, motoristas flagrados realizando podem ainda ter o veículo apreendido.

“Ao longo do ano passado, 153 taxistas intermunicipais foram autuados por desobedecerem a ordens dos agentes e autoridade de trânsito com relação à portaria 052 /2015, que estabelece os locais de embarque e desembarque dos passageiros de outros municípios. Muitos destes taxistas realizavam ainda linha dentro de Mossoró, o que não é permitido”, disse.