Quem não usar a máscara na Indonésia ‘vai para o caixão’

Homem deita em caixão nas ruas de Jacarta como punição por não usar máscara – (Foto: Achmad Ibrahim/AP)
A Indonésia encontrou uma forma diferente e constrangedora de orientar a população a usar máscara em tempos de pandemia de covid-19. Se não quiser cumprir serviços comunitários, punição imposta pelo governo para quem não usa o acessório em público, o infrator pode se deitar em um caixão que fica no meio da rua enquanto é observado por quem passa.

A punição alternativa foi uma iniciativa de funcionários de segurança pública do subdistrito de Kalisari, no leste de Jacarta, já cansados de pedir às pessoas para usarem as máscaras e não serem atendidos, segundo o site Coconuts Jakarta.
Segundo o site, os servidores disseram que havia uma fila de pessoas que deveriam ser punidas e esperavam por algum serviço comunitário que nem sempre aparecia. “Perguntamos aos infratores se eles queriam ir para o caixão ou esperar pelo serviço comunitário”, disse o chefe da Agência de Ordem Pública de Jacarta Oriental, Budhy Novian. “(No caixão, os infratores) contam até 100, ou seja, pelo menos um minuto, e são orientados onde eles podem parar, pois com a covid-19 existe o risco de serem colocados dentro de um caixão de verdade”, disse Novian.

Por decreto do governo, o descumprimento do uso da máscara obriga o infrator a prestar uma hora de serviços comunitários e pagar uma multa de pouco mais de R$ 90. Por enquanto, a troca de punição do serviço pela passagem pelo caixão só vale para Kalisari, mas deve ser estendida a todo o distrito de Pasar Rebo.

Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link: https://www.acritica.net/noticias/na-indonesia-quem-nao-usar-a-mascara-vai-para-o-caixao/474688/ – as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do jornal A Crítica de Campo Grande estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do jornal ([email protected]). Essas regras têm como objetivo proteger o investimento que o jornal “A Crítica” faz na qualidade de seu jornalismo.