PÍLULAS PARA O SILÊNCIO (PARTE CCXIV) – Clauder Arcanjo

“Liberdade ou Morte”, de Jean-Baptiste Regnault.

Um ritmo de abrigo envolve as coisas, tudo.

Vontade de dormir o grande sono calmo

Ouvindo a chuva triste e mansa, a descer sobre mim.

(Augusto Frederico Schmidt, em “Canção da breve serenidade”.)

 

Aguardando a estrela cadente eu estava e aqui ainda estou. No céu, um vazio de tudo; no ar, nenhuma brisa de esperança.

Sei que dormirei; tarde, mas dormirei. Então o céu me cobrirá com sua “frialdade inorgânica”, enquanto meu espírito catará seixos de ilusões para uma nova alvorada.

Será que a estrela cadente brilhará no firmamento, ao tempo em que a sonhar mergulho no esquecimento?

 

&&&

 

O gosto indecifrável da tarde; a boca revisita o palato e sente o tremor da língua. Esta, em febre, ameaça um discurso de fúria, mas nem um ínfimo protesto escapa dos lábios transidos de inquietação e pavor.

Lá fora a noite apresenta seu desfile de espectros, e os homens se escondem da morte em suas moradas.

No quadro da sala, a liberdade abre os braços para a porta fechada.

 

&&&

 

Disseram-me que o remédio de Zilda curaria minhas dores. E para lá me dirigi.

Quando bati à porta, Zilda me saudou com um jeito tão maroto que me entreguei aos males do coração.

— Sente-se, meu senhor, e me diga o que sente.

Entre lágrimas, declarei-me:

— Paixão.

 

&&&

 

O conselho do velho Ferrácio era breve e direto:

— Quando se visita muito o relógio, meus caros, o tempo nos castiga.

 

&&&

 

No cemitério, o único vivente que não chorava naquela manhã era o coveiro.

Ao contrário, sentia-se no ar o seu duro lamento. “Ou o homem dá um fim a esta pandemia, ou até os coveiros morrerão, exaustos.”

Em seguida o administrador do cemitério pedia que a roda da morte girasse mais rápida:

— Encomendem a alma dos seus familiares em casa. Há uma fila lá fora aguardando…

E uma chuva fina e triste a todos banhou.

 

*Clauder Arcanjo é escritor e editor, membro da Academia Norte-rio-grandense de Letras.