Paridade de gênero na OAB é resultado da luta coletiva de várias mulheres, afirma a advogada Mariana Bezerra

Disparidade entre gêneros é gritante no cenário jurídico nacional

Nesta quinta-feira, 17, o programa FM 7Horas recebeu a advogada Mariana Bezerra para um bate-papo sobre a aprovação do projeto de paridade de gênero e implantação de cotas raciais (30%) na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

A advogada destacou a importância da representatividade considerando todo tradicionalismo e preconceito que envolvem a área jurídica. Pontuou que a conquista é resultado da luta coletiva de várias mulheres no combate a disparidade de gênero que torna-se gritante quando analisada no cenário nacional.

Além da importância social, o projeto demanda que a instituição estimule mulheres a compor as chapas e que também deve capacitá-las para ocupar cargos de destaque. Afirmou ainda que o problema da desigualdade de gênero é reflexo de uma questão estrutural e cultural, que precisa sem combatido em todos os espaços.

Em Mossoró, das 23 comissões temáticas, como coloca Mariana, 10 têm mulheres ocupando a presidência, além de muitas advogadas no quadro da OAB no município. Quanto às cotas raciais, ela colocou que o órgão se propôs a realizar um censo para atender esta demanda e caso seja necessário, aumentar o percentual.