Ocupação de leitos de UTI ultrapassa 80% em sete hospitais no RN

A região Oeste é a que mais preocupa as autoridades de saúde do estado

Diante do avanço dos casos de coronavírus no país, o Rio Grande do Norte contabilizou 117 pessoas internadas nos leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI). O número de pacientes internados na área crítica faz com que no estado, 7 dos 15 hospitais que dispõem desse tipo de leito, estejam com lotação superior a 80%, sendo que em 3 deles, a taxa atingiu 100%.

Não há mais vagas em leitos de UTI para pacientes de COVID-19 nos hospitais Cleodon Carlos de Andrade em Pau dos Ferros, Hélio Morais Marinho no município de Apodi e Maternidade Infantil Integrada, São Paulo do Potengi. Outras unidades que também preocupam autoridades de saúde são Hospital Giselda Trigueiro em Natal, com 92,3% de ocupação, São Luiz em Mossoró, com 90%, Tarcísio Maia com 89,9% e Hospital do Divino Amor em Natal, com 83.3%.

O Tarcísio Maia que atualmente possui 9 leitos de UTI destinados ao tratamento da COVID-19, está com 8 deles ocupados. A diretora do hospital, Herbênia Ferreira, aponta que não há como reverter UTI´s gerais em UTI´s para pacientes de Covid porque todas estão ocupadas. O cenário do Hospital São Luiz, que tem 27 dos 30 leitos de UTI/Covid ocupados, e do Giselda Trigueiro, com 24 dos 26 leitos UTI/Covid ocupados, também não é favorável.

Em uma análise geral, a situação mais preocupante é a do Oeste, com 83.1% de taxa de ocupação de leitos UTI, seguida da região metropolitana de Natal, com 54%. No estado, a taxa de ocupação de unidades críticas por pacientes com COVID-19 é de 62%, maior nível desde agosto. Entre os 188 leitos críticos para coronavírus espalhados em todo o RN, há apenas 71 disponíveis.

Considerando que a taxa de pessoas rigorosamente isoladas também caiu no RN e o aumento significativo da ocupação de leitos críticos nos hospitais, a população potiguar precisa fazer sua parte contra à pandemia que já levou mais de 175 mil brasileiros.