Ney Lopes – Homenagem a Café Filho

Ney Lopes – jornalista, ex-deputado federal e advogado – [email protected]

Na última segunda feira, transcorreram 66 anos da posse de Café Filho na Presidência da República (1954), até hoje o único potiguar, que sentou definitivamente na cadeira presidencial e governou o país, durante 14 meses.

A minha avó Mafalda, açuense da gema, gostava de política e era cafeísta por convicção. No ano de 1955 tinha 10 anos de idade e por ser moda na época, usava calça curta. Recordo como se fosse hoje, o convite que ela me fez para assistir o Presidente Café Filho, em visita ao estado, inaugurar o “prédio do IPASE, nas Rocas, bairro onde ele viveu.

No meio da multidão, vi o delírio potiguar pelo conterrâneo vitorioso, que vestia terno branco e abraçava os correligionários. A minha avó chorou copiosamente ao ser cumprimentada.

A visita de Café Filho consolidou, à época, o acordo político, que permitiu a eleição de Dinarte Mariz ao governo do estado. Em decorrência de compromisso assumido, Dinarte nomeou Djalma Maranhão, ligado a políticos do grupo cafeísta, para Prefeitura de Natal.

Natal tem dívida de gratidão com Café Filho, pela inexistência de monumento em sua homenagem. Para preencher essa lacuna, o vereador Ney Lopes Jr aprovou proposta na Câmara Municipal e o busto do Ilustre conterrâneo, em conclusão pelo artista plástico Eri Alves, será colocado em local público, a ser definido pelo Prefeito Álvaro Dias.

A vida de Café Filho relata a trajetória de um lutador, rejeitado pelas elites, que depois se aliaram a ele. Defensor das massas, nunca foi comunista, embora a igreja e os militares lhe fizessem tal acusação.

Ao ser indicado à vice-presidência, Café militava no Partido Republicano Progressista, cuja reunião de fundação ocorreu em sua residência no Rio de Janeiro, na presença de Ademar de Barros, Abel Chermont, Sérgio e Abelardo Marinho e outros. Getúlio hesitou em aceitá-lo.

O vice-presidente era eleito pelo voto direto. Ademar de Barros foi incisivo: “A candidatura do Café Filho a vice-presidente será mantida, custe o que custar”. Getúlio, afinal, concordou. Sem o apoio de Ademar, ele não viabilizaria a sua candidatura.

Em 1950, Café elegeu-se, simultaneamente, vice-presidente da República e se reelegeu deputado federal pelo RN (a legislação permitia).

Na disputa pela vice-presidência derrotou o mineiro Odilon Duarte Braga, udenista, preferido de Getúlio, com diferença de 200 mil votos. Antes, em 1949, teve oportunidade de candidatar-se ao governo do RN pelo PRP, então chefiado por José Augusto Varela.

O próprio Café optou por composição, em torno do nome de Jerônimo Dix-Sept Rosado.

Ao assumir a Presidência da República, autorizou as primeiras pesquisas de petróleo no litoral do Rio Grande do Norte.

Enfrentou muitos obstáculos políticos, sobretudo de paulistas e mineiros, que em nome de posição independente queriam afastá-lo do poder.

Agiu com extrema habilidade. Valorizou o Congresso e passou a entender-se diretamente com os parlamentares.

Reafirmou que não representava nenhum partido e qualificou o seu governo como de transição, voltado para a estabilização da economia e a realização de eleições dentro dos prazos legais.

Ao seu lado, estava o conterrâneo Miguel Seabra Fagundes, no Ministério da Justiça, baluarte das causas democráticas.

A efervescência política deu causa a séria crise, que levou Café a afastar-se do cargo, em 8 de novembro de 1955, sob a “alegação” de “complicações” cardiovasculares.

O substituto constitucional seria Carlos Luz, presidente da Câmara Federal, mas os militares, liderados pelo Marechal Lott, deram posse a Nereu Ramos, presidente do Senado, que governou interinamente, com o país em “estado de sítio”, até a posse de Juscelino Kubitschek e João Goulart, em 31 de janeiro de 1956.

Café Filho teve vida modestíssima, após o afastamento da Presidência. Não possuía um carro próprio. Usava ônibus. Trabalhou como corretor de imóveis e advogado, no Rio de Janeiro.

As dificuldades financeiras eram tantas, que seu adversário, Carlos Lacerda, então governador, o nomeou para o Tribunal de Contas do Estado da Guanabara, onde permaneceu até aposentar-se em 1969. Faleceu no dia 20 de fevereiro de 1970.

Em Natal, o casarão da rua 15 de novembro, na Ribeira, que abrigou Café na infância, foi abandonado.

O escritor Lívio Oliveira, em artigo nesta TN, revelou visita ao Cemitério do Alecrim, em dezembro de 2019, quando constatou o abandono do túmulo da família Café Filho “sem argolas laterais, placas quase ilegíveis e partida ao meio”.

A propósito do descaso com a memória do ex-presidente, o Autor pergunta ao final do seu texto: “por falar nisso, o que foi feito do acervo do antigo Museu Café Filho? ”.

Hoje, repito a mesma indagação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *