Mossoró decreta estado de emergência devido à crescente proliferação do mosquito Aedes aegypti

A Prefeitura Municipal de Mossoró (PMM) decretou ontem estado de emergência devido à proliferação do Aedes aegypti e aumento no número de casos de doenças na cidade transmitidas pelo mosquito. O anúncio de emergência foi feito pelo prefeito, Francisco José Júnior, em cerimônia no auditório da Estação das Artes Eliseu Ventania, e o decreto nº 4.585 foi publicado no Jornal Oficial de Mossoró (Jom) da última quarta-feira, 16.

De acordo com a assessoria da PMM, o estado de emergência foi decretado de acordo com orientação do Governo Federal, através do Ministério da Saúde (MS), para que o município possa realizar ações de combate ao mosquito com menos burocracia. Com a publicação do decreto nº 4.585, válido por 180 dias, a PMM pode, por exemplo, contratar agentes de endemias temporários para reforçar as ações nos bairros.

A secretária municipal de Saúde, Leodise Cruz, afirma que, com a publicação do Decreto de emergência, as medidas de prevenção e combate ao mosquito no município serão intensificadas. No entanto, ela ressalta que é preciso também que a população esteja atenta e evite criar condições para que o Aedes aegypti se reproduza.

“Os agentes de endemias continuam visitando as casas para orientar a população e supervisionar possíveis focos do mosquito. Porém, a população precisa fazer a sua parte adotando medidas simples, como evitar água parada”, afirma.

A administração municipal lançou também o Plano Municipal de Enfrentamento ao Aedes aegypti, transmissor de doenças como dengue e chikungunya, além do zika vírus, que tem relação comprovada com aumento nos casos de microcefalia e da síndrome de Guillain-Barré no Nordeste.

O plano municipal de combate ao Aedes aegypti envolverá 15 secretarias municipais com ajuda de organizações não-governamentais em mobilizações sociais, mutirões nos bairros, monitoramento e combate ao mosquito.

As ações do plano de Enfrentamento ao Aedes aegypti devem envolver as equipes das secretarias de Saúde, de Educação, de Desenvolvimento Social e Juventude, de Infraestrutura, de Cultura, de Segurança e Defesa Civil, de Agricultura, de Serviços Urbanos, de Turismo, de Mobilidade Urbana, de Gabinete Civil, de Esporte, de Comunicação Social, do Gabinete Civil e da Fazenda.

Casos de dengue aumentam 791,97% no ano de 2015

De acordo com dados do MS divulgados pela PMM, Mossoró já acumula 1.999 notificações de dengue este ano, sendo que 1.222 casos foram confirmados. Se comparado ao ano passado, quando foram confirmados 137 casos no município, o ano de 2015 apresenta aumento de 791,97% na quantidade de pessoas com dengue, percentual que deve ser ainda maior até o final de dezembro.

Este ano, foram notificadas ainda 273 suspeitas da febre chikunguya, mas nenhum caso foi confirmado. Também há mais de 900 casos suspeitos de pessoas infectadas pelo zika vírus na cidade e sem confirmação. O levantamento do MS revela ainda que pelo menos 13 casos de microcefalia em Mossoró sob investigação de possível relação com o zika vírus.

O estudo do Ministério da Saúde mostra ainda que o Índice de Infestação Predial (IPP), que detecta a presença de larvas do mosquito, em Mossoró é 5,7%, taxa considerada elevada. O quadro mossoroense é considerado muito graves, pois o recomendado é que o IPP não ultrapasse 1% dos imóveis em uma cidade.