Merkel: “Quanto mais pessoas vacinadas, mais livres seremos novamente”

Em sua tradicional coletiva de imprensa de verão, nesta quinta-feira (22/07), a chanceler federal alemã, Angela Merkel, fez um apelo urgente para que as pessoas se vacinem contra a covid-19 e alertou para uma piora da situação epidemiológica diante do aumento do número de infecções no país nos últimos dias.

“Quanto mais pessoas estiverem vacinadas, mais livres seremos novamente”, disse a chanceler na coletiva, que provavelmente é também sua última, já que ela deixará o cargo após a eleição federal de setembro próximo.

“Somente juntos podemos superar a pandemia”, disse Merkel, apelando para que as pessoas promovam ativamente as vacinas em seu ambiente privado e no trabalho.

Os que ainda hesitam em se vacinar deveriam pensar que “cada vacina é um pequeno passo para mais segurança para todos”, disse. “Cada vacina conta.”

Ela descreveu como “dramática” a duplicação dos números de incidência da covid-19 em 12 dias e pediu maior atenção às medidas de proteção, ou seja, uso de máscaras, manter distância, ventilação e também testes regulares.

Taxas de vacinação mais altas devem possibilitar lidar também com o aumento no número de novos casos. “Evitar que o sistema de saúde seja sobrecarregado continua sendo o princípio orientador de nossas ações”, disse Merkel.

O Instituto Robert Koch (RKI), agência alemã para o controle e prevenção de doenças, informou nesta quinta-feira (22/07) que a taxa de incidência do coronavírus aumentou para 12,2 a cada 100 mil habitantes nos últimos sete dias. No dia anterior, o número era de 11,4. O último índice mais baixo foi atingido em 6 de julho, com 4,9 novos casos por 100 mil habitantes. O país registrou 1.890 novas infecções e 49 mortes por covid-19 nesta quinta.

Há poucos dias Merkel já havia feito um apelo para que os alemães não deixassem de se vacinar contra a covid-19, em meio a temores em torno de nova onda de infecções devido à variante delta, que se tornou dominante na Alemanha.

Merkel destacou a responsabilidade social da imunização, afirmando que “ninguém está protegido para si só”, mas também pelos outros. “A vacina não só protege você, mas também alguém que está perto de você, que é importante para você e que você ama”, sublinhou.

Falhas na proteção climática

Falando sobre as recentes enchentes no país, Merkel prometeu um esforço conjunto para lidar com as consequências nas áreas afetadas.

“Vamos precisar de energia para reparar todos estes danos”, disse a chefe de governo. A devastação causada pelos alagamentos foi terrível, disse ela, e lamentou a perda de 170 vidas. O objetivo agora, acrescentou, é financiar em conjunto os danos causados pelas inundações.

Merkel admitiu falhas na política de proteção climática. Considerando o objetivo de limitar o aquecimento global a 2 ºC, “não aconteceu o suficiente” durante seu mandato como chanceler federal, afirmou. Por isso, na opinião dela, o ritmo deve ser acelerado.

Ao mesmo tempo, Merkel enfatizou seu compromisso pessoal com a luta contra o aquecimento global. “Acredito ter dedicado muita energia à proteção do clima”, disse ela, que é formada em Física e doutora em Química Quântica, e que foi ministra alemã do Meio Ambiente de 1994 a 1998.

“Estou suficientemente dotada de uma mente científica capaz de ver que as realidades objetivas exigem que não continuemos neste ritmo, mas devemos acelerar”, salientou.

Ao mesmo tempo, Merkel disse haver uma grande resistência mundial à proteção eficiente do clima, por exemplo, na implementação do Protocolo de Kyoto de 1997. “Tive muitas decepções na época”, assinalou Merkel.

Ela disse ter dedicado muita energia em sua vida política para “encontrar maiorias para que pudéssemos ao menos seguir o atual caminho”. Na verdade, isto teria moldado “todo o seu trabalho político”, acrescentou.

DW