Médicos das UPAs ameaçam deixar atendimento por causa de atraso salarial

Cinquenta médicos da Sama ameaçam pedir demissão coletiva nas três Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) de Mossoró devido ao atraso de salários. A notícia foi confirmada por representantes sindicais.

O médico Gledson Cavalcante, que tratou em público sobre o pedido de demissão em massa, foi convidado a se desligar da empresa que presta serviços terceirizados à Prefeitura Municipal de Mossoró (PMM). O médico compartilhou fotos de documento onde foi feita a solicitação. O caso ganhou repercussão até na capital do Estado e levantou temores em relação aos atendimentos médicos na cidade.
Questionado sobre a demissão dos médicos, o diretor da Sama, Francisco Diego Costa Dantas, afirmou que não se pronunciaria sobre o assunto. Ele confirmou atraso de 45 dias no pagamento por parte da PMM, mas afirma que os atendimentos nas UPAs devem continuar sendo prestados normalmente, pelo menos até o final de janeiro do próximo ano.

“O contrato firmado com a Prefeitura prevê a manutenção do serviço por até 90 dias sem que haja repasse. Havia uma dívida maior pelos serviços prestados nas UPAs do Alto de São Manoel e do Santo Antônio e nós protocolamos solicitação de rescisão contratual, caso não fosse efetuado pagamento até o dia 30 deste mês, mas a Prefeitura pagou um mês e, de acordo com o contrato, vamos seguir prestando atendimento até que seja ultrapassado este limite de 90 dias de atraso, o que espero que não aconteça”, afirma o diretor.

Francisco Diego Dantas declara que a Sama tem 180 médicos associados, sendo que uma média de 100 prestam atendimento nas UPAs dos bairros Alto de São Manoel, Santo Antônio e Belo Horizonte através de dois contratos.

Contatado, o Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Norte (Simed/RN) declarou que não foi informado oficialmente sobre a demissão dos médicos. Já a assessoria de comunicação da Secretaria Municipal de Saúde declarou, em nota, que a relação da pasta se dá exclusivamente com a Sama, responsável pela disponibilidade de médicos.

Com relação à previsão de pagamento pelos plantões prestados nas UPAs, a assessoria da Secretaria Municipal de Saúde informa que não há previsão de quando o repasse será efetuado.