Governo estende R$ 600 por mais dois meses; veja como a decisão contraria Bolsonaro

O governo decidiu estender o auxílio emergencial por mais duas parcelas de R$ 600, conforme anunciou nesta terça-feira (30) o ministro da Economia, Paulo Guedes, em cerimônia no Palácio do Planalto.

A medida contraria o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que, em várias ocasiões, manifestou ser contrário à continuidade do programa. Ele, no entanto, cedeu à pressão pela manutenção para evitar conflitos com o Congresso Nacional.

::Leia mais: Caixa paga nova parcela do auxílio, mas quem precisa sacar pode esperar até setembro::

Sob o argumento de que a ajuda à população vai aumentar a dívida pública, a proposta de Bolsonaro e de seus ministros era de fazer o pagamento escalonado em três vezes – ou seja, em parcelas de R$ 500, R$ 400 e R$ 300, totalizando R$ 1,2 mil.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), porém, deixou claro que o Congresso lutaria para manter mais duas parcelas de R$ 600. Foi a chave para o presidente deixar sua vontade de lado para agradar ao parlamento.

::Como receber o auxílio?::

Para que se entenda melhor o que Bolsonaro pensa e como ele trata o auxílio emergencial, o Brasil de Fato preparou uma linha do tempo, com declarações, decisões e problemas envolvendo os repasses ao povo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *