Covid-19: AL aprova, por unanimidade, projeto do Coronel Azevedo para transparência em contratos emergenciais

De autoria do deputado estadual Coronel Azevedo (PSC), o Projeto de Lei que trata a respeito da transparência nos contratos emergenciais firmados pela Administração Pública em razão da situação de calamidade decorrente da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) foi aprovado por unanimidade pela Assembleia Legislativa nesta quarta-feira (5).

Com a aprovação pela Casa Legislativa, o Projeto segue para sanção da governadora Fátima Bezerra. De acordo com o documento, o Governo deve publicar, no site do portal da transparência, em link específico para este fim, a relação dos contratos emergenciais firmados, por todos os órgãos estaduais, em referência à situação de calamidade decorrente da pandemia.

Autor do Projeto de Lei, Coronel Azevedo destacou que a transparência com os recursos públicos é algo fundamental para uma gestão correta e pautada na eficiência. “Temos visto que o Governo Federal tem repassado milhões em recursos para o Governo do Rio Grande do Norte e é preciso que a forma como esse dinheiro tem sido investido seja informada de forma correta e objetiva ao cidadão”, disse.

Dentro da publicação no site, é necessário que se destaquem as seguintes informações: órgão contratante; número do Processo de Contratação ou de aquisição, com a respectiva numeração do instrumento contratual; nome do contratado, ou de seu representante legal; CPF ou CNPJ do contratado; objeto; valor; justificativa do contrato emergencial; data de assinatura e prazo de vigência do contrato.

Além disso, todas as aquisições de bens, serviços, inclusive de engenharia, e insumos, deverão observar as disposições da lei ordinária federal nº 13.979/2020 e ter como destinação específica uma ou mais ações de enfrentamento da emergência de saúde pública causada pelo novo coronavírus.

O Projeto de Lei aprovado tem aplicação para todos os contratos firmados em caráter emergencial pela administração pública estadual em razão da situação de calamidade decorrente da pandemia.

Assecom

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *