Comissão Europeia pede reabertura das fronteiras internas da UE a partir de hoje

O órgão executivo da UE quer que viajantes de terceiros países comecem a chegar em 1º de julho. Brasil e demais países onde doença não foi controlada ficam de fora da lista

A comissária para o Interior, Ylva Johansson, durante a coletiva de imprensa em Bruxelas, nesta quinta-feira.
A comissária para o Interior, Ylva Johansson, durante a coletiva de imprensa em Bruxelas

União Europeia se tornou um quebra-cabeça complexo para o viajante nesta fase de desescalada das medidas restritivas. Países como a Itália abriram as fronteiras a todos os cidadãos do espaço Schengen. Outros, como a Áustria, o fizeram apenas para alguns de seus vizinhos. E um terceiro grupo, em que a Espanha está incluída, ainda não removeu as travas para ninguém. A Comissão Europeia, órgão executivo da UE, quer acabar com essa anomalia e acredita que não há razão para esperar mais: “A Comissão incentiva fortemente os países membros que ainda não puseram fim aos controles nas fronteiras internas a que permitam a livre circulação a partir de 15 de junho”, pede o relatório apresentado nesta quinta-feira pela Comissão, em Bruxelas.

A Comissária para o Interior, Ylva Johansson, se expressou sem rodeios. “Recomendamos que as fronteiras internas sejam abertas o mais rápido possível”, disse ela, de modo taxativo. No caso de países de fora do bloco, Bruxelas quer que seja elaborada uma lista comum de Estados livres de restrições, e faz um chamado à mobilidade gradual, começando em 1 de julho com os Bálcãs ocidentais (Albânia, Bósnia-Herzegóvina, Kosovo, Montenegro, Macedônia do Norte e Sérvia). A escolha se deve ao vínculo especial com a região, da qual alguns países são candidatos à adesão à UE, mas também por razões de saúde, pois foram golpeados com menos virulência pela Covid-19.

A direção do bloco sugere a elaboração de uma lista comum de países fora da União, para os quais as restrições possam ser levantadas.

Independentemente da proposta da Comissão, a última palavra cabe sempre aos Estados-membros.

A União Europeia encerrou as fronteiras externas a todas as viagens “não indispensáveis” no dia 17 de março deste ano.

Confrontada com a decisão de Portugal e Espanha de manter as fronteiras comuns fechadas até ao fim deste mês, a comissária europeia responsável pelos Assuntos Internos, Janez Lenarcic, diz que o importante é que a livre circulação esteja reposta até ao início de julho.

*Com informações de RTP