Com 1.262 vítimas em 24 horas, Brasil ultrapassa 31 mil mortes por covid-19

O Ministério da Saúde divulgou nesta terça-feira que já foram registradas 31.199 mortes no Brasil por causa do coronavírus. Em 24 horas, foram 1.262 óbitos. O número total de infectados é agora de 555.383 pessoas, com mais de 28 mil confirmações entre segunda (1) e terça-feira (2).

Mais de quatro mil mortes seguem em investigação e 223.638 pessoas se recuperaram da doença.

 

São Paulo continua como o estado com mais infecções, com 118.295 casos. Na sequência estão Rio de Janeiro, que tem 56.732 casos e Ceará, com 53.073 infectados. Em coletiva de imprensa nesta terça-feira, secretário-executivo substituto do Ministério da Saúde, Élcio Franco, foi perguntado sobre a posição da pasta frente aos planos de abertura regionais, que vem sendo divulgados por governadores e prefeitos.

 

Ele afirmou que as regiões Norte e Nordeste vêm registrando incidência maior da doença, mas esse cenário deve se deslocar para o centro sul do país. Élcio disse ainda que os estudos mostram tendência de interiorização dos casos e que o ministério pretende atuar para auxiliar no transporte para as capitais de pacientes que não puderem se tratar nas cidades do interior.

Segundo o secretário substituto, a posição do Ministério é de que o poder público de cada localidade deve observar a realidade da região para definir as ações.

“Essa flexibilização ou não das medidas ocorrem de acordo com a realidade local, com aspectos socioeconômicos e culturais e que tem que ser verificados não isoladamente, considerando a evolução da curva epidemiológica, a capacidade de resposta da estrutura de saúde, e a dinâmica da economia e da cultura daquela região, para que sejam implementadas medidas mais ou menos restritivas. A posição do ministério é a mesma que já foi definida e pacificada pelo Supremo Tribunal Federal de que cabe aos gestores municipais e estaduais a implementação dessas medidas”

::Relembre: Coronavírus: governo Bolsonaro demorou mais de dois meses para editar primeira medida::

Élcio também foi questionado sobre a não definição de um novo ministro da saúde e de secretários da pasta, desde a demissão de Nelson Teich, há mais de duas semanas. Segundo ele, “Todas as funções do ministério têm nomeados eventuais substitutos. Isso não faz a máquina parar.” Ele afirmou que as futuras nomeações estão em “fase de entrevista”

 

Brasil de Fato

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *