Carlos Bolsonaro perde foro privilegiado em investigação sobre funcionários fantasmas

A investigação do MP-RJ foi aberta em setembro do ano passado, após a revista Época denunciar que Carlos Bolsonaro empregava sete parentes de Ana Cristina Valle, sua madrasta e ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Alguns dos funcionários moravam em outro estado e admitiram nunca terem pisado na Câmara dos Vereadores do Rio, onde estavam lotados, apesar de constarem em folha de pagamento.

Irmão do vereador, o hoje senador Flávio Bolsonaro também é investigado em denúncia similar na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) na época em que era deputado estadual. A prática, que consiste na devolução de parte do salário de funcionários empregados em gabinete e que tem relação com Fabrício Queiroz, ex-assessor e amigo de décadas da família Bolsonaro, ficou popularmente conhecida como “rachadinha”.

Com a decisão de ontem, o MP-RJ segue entendimento firmado no último dia 13 pela 1ª Turma do Superior Tribunal Federal (STF) e que “representa alento para desafogar os tribunais, trazendo perspectiva de uma melhora no Sistema Judiciário em geral, e na persecução penal, em particular”, disse o órgão em nota.

 

 

Brasil de Fato

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *