(Foto: EBC).

Banco Mundial alerta que indígenas são mais afetados pela pobreza na América Latina

O Banco Mundial alertou nesta semana para a situação dos povos indígenas da América Latina, onde, segundo novo levantamento, os povos originários não foram tão beneficiados quanto o restante da população pelo crescimento econômico da região, ao longo da primeira década do século XXI. Embora não tenham sido completamente excluídos dos recentes avanços, os indígenas continuam a viver em condições mais precárias e vulneráveis, quando comparados aos não indígenas. Atualmente, este segmento da população constitui 8% da população latino-americana. Contudo, respondem por, aproximadamente, 14% dos pobres e 17% dos extremamente pobres.

Nos últimos anos, graças à combinação de desenvolvimento econômico e políticas sociais adequadas, mais de 70 milhões de pessoas saíram da pobreza na América Latina. A pobreza em domicílios indígenas diminuiu em países como Brasil, Peru, Bolívia, Chile e Equador. Outros, incluindo Equador, México e Nicarágua, diminuíram a brecha educativa que durante décadas excluiu as crianças indígenas, aponta o relatório “A América Latina indígena no século XXI”, elaborado pelo Banco Mundial.

“Se quisermos alcançar nossos objetivos de redução da pobreza e de estímulo à prosperidade compartilhada, precisamos lutar contra a discriminação e a exclusão para que todos os latino-americanos contem com as mesmas oportunidades de ter uma vida melhor”, afirmou o vice-presidente do Banco Mundial para a América Latina e o Caribe, Jorge Familiar.

A pesquisa do organismo financeiro revelou também que, ao contrário da percepção popular, quase metade da população indígena latino-americana já habita áreas urbanas. Apesar dessa tendência geral, o Brasil é um ponto fora da curva. No país, assim como no Panamá, Equador, Colômbia e Honduras, mais de 60% dos índios ainda moram em áreas rurais. Segundo dados do Censo 2010, existem 896,9 mil pessoas indígenas no Brasil e metade desta população é constituída por mulheres.

Quando chegam às cidades latino-americanas, esse contingente enfrenta desigualdades, vivendo em locais menos seguros, menos higiênicos e mais propensos a desastres naturais do que os residentes não indígenas. Em países com grandes volumes de indígenas nas zonas urbanas, o número de índios com empregos estáveis e de alta qualificação é de duas até três vezes menor do que entre os não indígenas. Acesso a serviços básicos e às novas tecnologias também é deficiente entre os de origem indígena.

Segundo o Banco Mundial, as pessoas de ascendência aborígene têm, ainda, maior probabilidade de trabalhar no setor informal, em atividades de baixa qualificação e remuneração, o que limita o seu acesso a benefícios como previdência social, seguro de saúde e aposentadoria.

Acesse o relatório na íntegra: http://bit.ly/1Xyk1KE

Fonte: ONU Brasil.