Oficialização de contratos ocorrerá em Caicó

Banco do Nordeste libera R$ 2,12 milhões em crédito fundiário para o Seridó

O Banco do Nordeste vai oficializar nessa sexta-feira, em Caicó, a contratação de R$ 2,12 milhões em duas operações do Programa Nacional de Crédito Fundiário. O PNCF, da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead – antigo MDA), foi criado para que os trabalhadores sem terra ou com pouca terra possam adquirir imóveis rurais para exploração em regime de economia familiar.

A entrega das escrituras públicas será durante evento do Governo do Estado, no espaço Ilha de Sant’Ana. Diversas ações estão previstas para ocorrer a partir das 9h30, entre elas a entrega de 500 títulos de terras do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) para agricultores familiares e dez bibliotecas móveis para o meio rural, dentro do projeto Arca das Letras, da Sead.

A Secretaria de Assuntos Fundiários e Apoio à Reforma Agrária (Seara-RN), parceira do Banco na ação, entregará simbolicamente títulos de posse das terras para dez famílias, cinco de cada associação beneficiada com o crédito fundiário. O superintendente do BNB no RN, Fabrizzio Feitosa, e o gerente executivo do Pronaf, Orlando Gadelha, participarão da solenidade.

No município de São João do Sabugi, a Associação de Desenvolvimento Rural Sustentável do Sítio Brejinho, adquiriu a propriedade para o assentamento de 17 famílias. A aquisição das terras custou R$ 860 mil e a agência Caicó fará a liberação de mais R$ 434 mil para os subprojetos de investimentos comunitários. O total injetado na economia do município é de R$ 1,37 milhão.

Já em Santana do Matos, a Associação dos Beneficiários do Projeto de Assentamento José do Gado, cliente da agência Angicos do BNB, aplicará R$ 421 mil na aquisição das terras, mais R$ 329 mil para investimentos comunitários. A consolidação do assentamento, que beneficiará dez famílias, resulta num aporte de mais de R$ 750 mil no município seridoense.

O superintendente Fabrizzio Feitosa chama atenção para as condições oferecidas para o desenvolvimento das associações. “O Programa de Crédito Fundiário é bem interessante. Muitos desses agricultores foram criados na própria fazenda onde agora têm um lote, ou seja, têm identificação com a terra. Os recursos para investimentos disponibilizados pelo Banco, com taxas diferenciadas e bem empregados, certamente vão resultar no progresso dessas famílias”.