Sophie Scholl fazia parte do grupo Rosa Branca

Alemanha homenageará Sophie Scholl com moeda

Governo alemão anuncia lançamento de moeda especial para marcar centenário de nascimento da ativista que é símbolo da resistência ao nazismo e exemplo de coragem civil. Scholl foi executada pelo regime nazista em 1943.

Alemanha homenageará a ativista Sophie Scholl, que se tornou símbolo da resistência ao nazismo e exemplo de coragem civil, com uma moeda especial, anunciou nesta quarta-feira (12/08) o Ministério das Finanças alemão.

Feita de prata esterlina, a moeda de colecionador de 20 euros será lançada em abril de 2021, no centenário de nascimento da ativista.

Scholl fazia parte do grupo Rosa Branca (Weisse Rose), movimento pacífico de resistência contra Adolf Hitler e seu regime totalitário. O grupo distribuía panfletos que denunciavam os crimes nazistas. Ela foi presa e condenada por traição junto com o irmão Hans Scholl. Em 22 de fevereiro de 1943, ambos foram executados. Ela tinha apenas 21 anos quando foi morta.

A resistência de Scholl se tornou “um exemplo de luta contra a falta de liberdade e a opressão”, afirmou o ministério ao anunciar a homenagem.

Desenhada pelo artista alemão Olaf Stoy, a moeda tem o rosto de Scholl num dos lados e traz ainda a famosa frase da ativista: “um senso do que é justiça e injustiça”.

Sophia Magdalena Scholl nasceu em Forchtenberg, no Sul da Alemanha, em 1921. Ela estudou Biologia e Filosofia na Universidade de Munique, onde seu irmão estudou Medicina e onde foi formado o grupo Rosa Branca.

O grupo pacifista distribuía panfletos contra o regime de Hitler, usando argumentos políticos e bíblicos para convencer a população a resistir contra a ideologia nazista. Em 18 de fevereiro 1943, Sophie distribuía panfletos junto com seu irmão na universidade. Quando ela jogou uma pilha de papéis de um parapeito para o átrio da instituição, ambos foram descobertos e presos. Eles foram mortos dias depois.

Essa não é a primeira vez que a Alemanha homenageia integrantes do grupo de resistência. No final do ano passado, o complexo do Exército em Hochbrück foi rebatizado com o nome de Christoph Probst, estudante de Medicina que também fazia parte do Rosa Branca.

Em 2012, a principal sala da faculdade de Medicina das Forças Armadas da Alemanha (Bundeswehr), em Munique, recebeu o nome do irmão de Sophie, Hans Scholl.

Deutsche Welle 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *