Notice: Undefined property: WP_Error::$ID in /home/omossoroensecom/public_html/wp-includes/class-wp-user.php on line 170

Notice: Tema sem header.php está obsoleto desde a versão 3.0.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo header.php em seu tema. in /home/omossoroensecom/public_html/wp-includes/functions.php on line 3942
Vaticano: Papa recorda 75º aniversário da libertação de Auschwitz e reforça condenação do antissemitismo – Jornal O Mossoroense Vaticano: Papa recorda 75º aniversário da libertação de Auschwitz e reforça condenação do antissemitismo – Jornal O Mossoroense

Home / Destaques / Vaticano: Papa recorda 75º aniversário da libertação de Auschwitz e reforça condenação do antissemitismo
Visita do Papa a Auschwitz (imagem de arquivo)
Visita do Papa a Auschwitz (imagem de arquivo)

Vaticano: Papa recorda 75º aniversário da libertação de Auschwitz e reforça condenação do antissemitismo

Francisco defende necessidade de preservar memória do Holocausto

O Papa recordou hoje no Vaticano o 75º aniversário da libertação do campo de concentração nazista de Auschwitz (27 de janeiro de 1945) e reforçou a condenação do antissemitismo, numa audiência a membros do “Simon Wiesenthal Center”

“O aniversário da crueldade indescritível que a humanidade descobriu há 75 anos é um chamamento a parar, calar e lembrar. Precisamos disso, para não nos tornarmos indiferentes”, declarou, em intervenção divulgada pela Santa Sé.

“Não me canso de condenar todas as formas de antissemitismo”, disse ainda.

Francisco destacou a importância de preservar a memória do Holocausto, para as novas gerações, como forma de “combater todas as formas de antissemitismo, racismo e ódio de minorias”.

A intervenção alertou para o aumento da “indiferença egoísta” e dos populismos, alimentados pelo “ódio”, com “ressurgimentos bárbaros do antissemitismo”.

O Papa recordou a sua passagem pelo campo de concentração de Auschwitz-Birkenau, em 2016, para “rezar em silêncio”.

“Hoje, absorvidos no turbilhão das coisas, lutamos para parar, olhar para dentro de nós mesmos, fazer silêncio para ouvir o grito de sofrimento da humanidade”, observou.

“O consumismo de hoje também é verbal: quantas palavras inúteis, quanto tempo desperdiçado contestando e acusando, quantas ofensas gritadas, independentemente do que foi dito. O silêncio, pelo contrário, ajuda a preservar a memória. Se perdermos a nossa memória, destruiremos o futuro”.

A dignidade humana, acrescentou, “pertence a todos em igual medida”, independentemente da origem, religião ou estatuto social.

Francisco convidou à cooperação entre católicos e judeus para “reintegrar aqueles que estão marginalizados” e os que “são rejeitados por não terem meios e dinheiro”, bem como as “vítimas da intolerância e discriminação”.

“Que o Altíssimo nos ajude a respeitar e amar cada vez mais, e a tornar a terra um lugar melhor, semeando a paz. Shalom”, concluiu.

Fonte: Agência Ecclesia