quinta-feira , 13 de dezembro de 2018
Home / Destaques / Ministério Público RN se mobiliza pela causa do câncer de mama
FEMAMA e ONGs associadas vão às ruas pedir por acesso a diagnóstico e tratamento ágeis e adequados
FEMAMA e ONGs associadas vão às ruas pedir por acesso a diagnóstico e tratamento ágeis e adequados

Ministério Público RN se mobiliza pela causa do câncer de mama

Campanha segue durante todo o mês de outubro

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) aderiu nessa segunda-feira (1º) à campanha Outubro Rosa. O objetivo é conscientizar sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e do colo do útero. O portal da instituição e a fachada da Procuradoria-Geral de Justiça, em Natal, receberam as cores da campanha.
Parceiro desde o início da década 2010, o MPRN realizará ações internas de conscientização durante todo o mês de outubro.  A chefe do Setor de Bem-Estar do MPRN, Kênia Costa, ressalta que a instituição conta com algumas atividades que vão além da sua decoração e traços rosas da sede. O público interno receberá material de conscientização sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce da doença.
“Durante o mês de outubro faremos uma campanha interna e reflexiva sobre o câncer de mama e de colo do útero com as mulheres que trabalham no MPRN. Queremos com isso aumentar a cultura de prevenção e cuidado pessoal e fazer com que essas doenças sejam tratadas precocemente”, resumiu.
Sobre a campanha Outubro Rosa
A campanha é realizada por diversas entidades durante o mês de outubro e é dirigida à sociedade, em especial às mulheres. Entre os temas do movimento, está a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e de colo do útero.
O nome da campanha remete à cor do laço que simboliza mundialmente a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades: o rosa. Durante o período, monumentos e prédios são iluminados com essa mesma cor.
O câncer de mama é o segundo tipo de câncer mais frequente no mundo e, apesar de também atingir os homens, as mulheres, acima de 35 anos, são o principal alvo.
MPRN