sexta-feira , 24 de janeiro de 2020
Home / Opinião / HOSPITAL DUARTE FILHO, ORIGEM E FIM – Wilson Bezerra

HOSPITAL DUARTE FILHO, ORIGEM E FIM – Wilson Bezerra

Muito bem diz o dito popular que tudo que tem início tem fim, não para a saúde, esta tem que permanecer enquanto existir vida.

Sou conservador quanto às coisas do passado, principalmente o patrimônio natural, casas, prédios, tudo isso que merece o mais fiel respeito, até porque assinala o espírito arquitetônico de um autor ou construtor, às vezes, em sua maioria, originados de uma época em que nem arquiteto existia formado em universidade, mas a beleza de suntuosos prédios e castelos aspirava uma espiritualidade fiel aos sentimentos humanos.

O que me chamou a atenção no momento de minhas pesquisas foi um suntuoso prédio construído na década de trinta que abrigou o Hospital Duarte Filho, que só agora, com a modernidade e o descaso dos poderes constituídos, foi demolido para em seu lugar ser construído outro, como se sabe, diferente dos velhos tempos.

A ideia de fundação de um Hospital de Caridade na cidade de Mossoró veio de um jantar promovido pelos caixeiros viajantes quando hospedes do Grande Hotel, na época importante ponto de abrigo de pessoas com condições mais abastadas, no dia 13 de junho de 1920, atiçando fogo aos mossoroenses para criarem um hospital que viesse atender a demanda na saúde. A ideia proliferou, até que no dia 24 de março de 1930 foi fundado e inaugurado em 02 de fevereiro de 1930.

Depois de muitas décadas de relevantes serviços prestados à saúde, a obra idealizada pelos caixeiros viajantes e construído pelo agropecuarista Francisco Ferreira Duarte, com o auxilio da comunidade de Mossoró, foi extinta do patrimônio histórico da cidade e pioneira da saúde na região.