VOLTANDO AO BATENTE

Até tentei deixar o jornalismo e me dedicar exclusivamente à advocacia, mas não deu. Advocacia é sobrevivência, jornalismo é tesão. Aqui é o meu lugar desde sempre e para sempre. Por isso, estou voltando ao batente na redação do O Mossoroense, após uma pausa de quatro anos, com o enorme desafio de me readaptar.

Seria mentira dizer que não sinto falta do papel, do cheiro de tinta, da emoção de ir à oficina de madrugada para ler o primeiro exemplar da edição do dia, recém-saído das entranhas da impressora. Faltaria igualmente com a verdade se afirmasse aqui não sentir saudade da antiga equipe e de escrever em meio ao caos.

O caos a que me refiro é a redação. E redação não se resume ao lugar físico de suas instalações. Redação é o espírito do jornal, um transe produzido pela adrenalina do fechamento, da notícia de última hora, do furo de reportagem, das brincadeiras – às vezes arengas –, da peleja cotidiana para informar com qualidade.

No jornalismo online, seara de atuação do O Mossoroense desde 2012, três anos antes do encerramento da circulação impressa, as redações são diminutas e pulverizadas, especialmente na pandemia. Cada um no seu quadrado, mas encarnando competências diversas. O profissional da comunicação de hoje é o múltiplo em si.

Desafio grande! Nada assustador, entretanto, para quem vivenciou transições profundas, da tipografia ao offset, da diagramação em letras de chumbo aos softwares, do telex à Internet. A minha geração, a dos jornalistas interioranos dos anos 1980, sobreviveu a tudo isso, sempre se adaptando e tirando o melhor das novas tecnologias.

Seja como for, os propósitos deste Canto de Página, aperfeiçoados por um pouco mais de experiência, continuam os de sempre: informação responsável, opinião sem disfarces, crítica sem coice, prosa descontraída e poesia para aguçar a sensibilidade. O leitor tem espaço escancarado, inclusive para discordar. Então, mãos à obra!

 

MEGA-SENA

A de hoje, com apostas até 19h00min, pagará cerca de R$ 2,5 milhões. O sorteio será realizado em São Paulo, no Espaço Loterias Caixa, no Terminal Rodoviário Tietê.

 

VERDADE

Campanha política em Mossoró é guerra. Sempre foi assim. E, “na guerra”, conforme a frase supostamente pronunciada pelo senador americano Hiram Johnson, “a primeira vítima é a verdade”. Fique atento, leitor, que a baixaria tende a se ampliar na reta final, com ataques gratuitos, mentiras completas e meias-verdades.

 

148

Há 148 anos, circulava a primeira edição do O Mossoroense, autoproclamado “Semanário, político, comercial, noticioso e literário”. O jornal fundado por Jeremias da Rocha Nogueira, com o apoio de José Damião de Souza Melo e Ricardo Vieira do Couto, surgiu com a promessa de combater a “hidra do despotismo e da teocracia”.

 

NÃO COMPUTADOS

Os candidatos com registro indeferido pela Justiça Eleitoral de primeira instância não terão os votos computados para si ou para o partido, mesmo que seus nomes e fotos apareçam na urna eletrônica, a não ser que a decisão seja revertida no TRE ou no TSE. A lei é clara e a jurisprudência, cristalina.

 

ESTUPRO

O jogador Robinho se defende da sentença que o condenou por estupro, afirmando à opinião pública que, na relação com a suposta vítima, não houve “Nenhuma penetração e nem nada disso”. Desconheço a legislação italiana, mas, no Brasil, qualquer ato libidinoso – aquele voltado à satisfação do desejo sexual – pode configurar estupro.

 

FOTOGRAFIA

O jornalista Alex Gurgel vem divulgando vídeos excelentes no YouTube, com dicas de fotografia. Quem tiver interesse pode se inscrever no Engenho de Fotos. Segue o link: https://www.youtube.com/channel/UChzacXS6LeKBYmX3XgfweEA. Alex é uma das referências do ensino dessa arte no RN.

 

CASSAÇÃO

O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado recebeu, ontem, petição subscrita pelos representantes dos partidos Cidadania e Rede Sustentabilidade, pedindo a cassação do mandato do senador Chico Alencar, aquele encontrado com R$ 30 mil na cueca, sendo R$ 15 mil na poupança.

 

IDADE

Mia Couto

 

Mente o tempo:

a idade que tenho

só se mede por infinitos.

 

Pois eu não vivo por extenso.

 

Apenas fui a Vida

em relampejo do incenso.

 

Quando me acendi

foi nas abreviaturas do imenso.