Vereadores esvaziam plenário e revogação de título de “Persona non Grata” à vereadora eleita é adiada

Estava na pauta de votação da Câmara Municipal de Mossoró (CMM) desta quarta-feira (18), a revogação do título de Persona non Grata dado à professora e sindicalista Marleide Cunha, pelos vereadores da base de sustentação da prefeita Rosalba Ciarlini no ano passado.

Presente à sessão, Marleide e alguns apoiadores, no entanto, foram frustrados por mais uma estratégia dos vereadores, que, antes da votação das matérias, esvaziaram o plenário. Sem quórum, a votação foi adiada para a próxima terça-feira (24).

A proposta foi apresentada pelo vereador Gilberto Diógenes (PT), após a vitória de Marleide à uma das cadeiras da CMM na próxima legislatura conquistada na eleição do último domingo (15), quando obteve 1.528 votos. Ontem, a vereadora Sandra Rosado, que votou pela concessão do “título”, admitiu que votaria pela sua revogação: “Admito que naquele momento houveram excessos de ambos os lados, os ânimos estavam muitos exaltados, mas hoje, eu voto sim pela revogação deste título”, comentou.

Já o vereador Didi de Arnor, mais exaltado, disse que aguardava um pedido de retratação por parte de Marleide, o que nunca aconteceu. Ressalte-se que o título foi dado após a base governista retirar do contracheque dos servidores públicos o desconto sindical, fragilizando as finanças do Sindiserpum, da qual Marleide era presidente.

A sindicalista também liderou uma greve de professores após a Prefeitura não conceder o reajuste anual dos professores conforme determinado pelo MEC com o aval dos vereadores da situação. Com isto, o Sindiserpum espalhou outdoors pelas ruas em protesto, o que causou a fúria dos apoiadores do Palácio da Resistência.

Também estiveram presentes para assistir à sessão de hoje as vereadoras eleitas, Larissa Rosado (PSDB), que sucederá a vereadora  Sandra Rosado e Carmem Júlia (MDB), filha da presidente da Câmara, Izabel Montenegro.