Vamos perder os recursos da Lei Aldir Blanc?

Aldir Blanc

Sei que estou sendo repetitivo neste tema, mas é que não me conformo que estejamos, nós, trabalhadores da cultura, na iminência de perder milhares de reais da lei emergencial (que de emergencial não teve nada) Aldir Blanc.

A poucas horas para o final do ano e esgotando-se o prazo limite para o uso destes valores (dia 31), muitos contemplados ainda não receberam seus contratos para assinarem e devolverem ao Estado; em nível municipal, após mais de um mês de atraso, finalmente saiu o resultado final do último edital lançado; fala-se que os contratos poderão ser emitidos nesta segunda ou terça-feira.

Segundo as palavras do próprio Crispiano Neto, presidente da Fundação José Augusto a correria é para finalizar “tudo”, até, justamente a terça, dia 29: “ainda falta muito para se conseguir fazer os pagamentos até o dia 31, até porque, na verdade tudo tem que estar pronto até o dia 29, pois dia 30 os bancos têm expediente interno e no dia 31 eles fecham, literalmente, para balanço”.

Editais confusos, alguns com 50 páginas, burocracia excessiva, comunicação péssima entre gestão/artistas, talvez justificasse tanto atraso, mas não justifica. Mais de uma dezena de municípios potiguares sequer tiveram interesse em receber os recursos. Uma vergonha, uma tristeza.

Como já disse várias vezes, esta lei veio para escancarar como a cultura é uma pasta desimportante para muitos gestores, como muitos são despreparados, como tem gente errada nos lugares errados. Nunca tivemos tantos recursos disponíveis para fazer arte e agora, corremos o risco de ficarmos de mãos abanando, como sempre. Se isto vier a acontecer, será um atestado de incompetência para quem lida com as coisas da cultura deste país em todos os níveis.

Não encontro outra palavra pra definir senão incompetência. Devolver recursos públicos por falta de tempo é algo injustificável e não é justo que mais uma vez a corda arrebente do lado dos mais fracos. Senhores do poder, não deixem isto acontecer, movam céus e terra, não estamos lutando uns contra os outros, estamos do mesmo lado, merecemos seus esforços.