Usuários reclamam do aumento da tarifa de ônibus e da má qualidade do transporte público

O aumento da tarifa no transporte coletivo de Mossoró de R$ 2 para R$ 3, implantado ontem, gerou insatisfação entre os usuários que reclamam ainda da má qualidade do serviço. Entre os problemas apontados pelos estudantes e trabalhadores que utilizam os ônibus estão a demora e falta de periodicidade na circulação, além do trajeto das rotas.

“Pior que indo ao trabalho de ônibus ainda chego atrasada. Achei esse aumento na tarifa um absurdo. Pego dois ônibus por dia, isso já dá um aumento de R$ 2 diariamente, pode parecer pouco, mas no final do mês já se vão quase R$ 50. Vou ver se a empresa em que trabalho aumenta meu vale-transporte de R$ 4 para R$ 6 por dia, que é o que vou ter de gastar”, disse a auxiliar de serviços gerais, Dalvanira Neris.

A usuária Sonally Janine compara o preço da tarifa cobrada em Mossoró ao da capital Natal, onde a passagem de ônibus custa R$ 2,65. Ela questiona ainda o prazo e a forma como foi feita a divulgação do aumento da tarifa. Os usuários mostram insatisfação ainda em relação ao percentual de 50% de aumento e contra a falta de integração entre as linhas.

“Só fiquei sabendo desse aumento na passagem na semana passada, através de um aviso pregado no ônibus. Achei um desrespeito. Não entendo porque aumentar logo R$ 1 em vez de R$ 2,25 ou R$ 2,50, no máximo. Conheço pessoas que estudam na UnP (Universidade Potiguar) e têm de pegar quatro ônibus para ir e vir, sem integração, o que dá um gasto de R$ 4 a mais por dia”, afirma Sonally Janine.

Questionado sobre a integração entre as linhas de transporte coletivo na cidade, o diretor de transportes da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (Semob), Ramon Moura, afirmou que o benefício só deve voltar quando o sistema de bilhetagem eletrônica for instalado na frota. Já sobre os questionamentos em relação ao percentual adotado para o aumento, o diretor afirma que o tema foi discutido em audiências realizadas na Câmara Municipal de Mossoró (CMM) e no Ministério Público (MP).

“A integração entre as linhas está condicionada ao sistema de bilhetagem eletrônica, que, por sua vez, está previsto no contrato para ser implantado dentro de até 20 dias a partir do aumento da tarifa. Caso a empresa não cumpra com as determinações do contrato, é prevista multa financeira. A partir do reajuste do preço da passagem, esperamos diminuir o tempo de espera nas paradas para até 20 minutos”, declara o diretor.