Urologista explica que teste de PSA não é 100% seguro no diagnóstico do câncer de próstata

Profissionais de saúde já começam a desenvolver ações da campanha Novembro Azul, dedicada a alertar os homens sobre a importância dos cuidados com a saúde, com ênfase no diagnóstico do câncer de próstata. O urologista Hallison Castro orienta homens a partir dos 50 anos a realizarem, ao menos uma vez por ano, não só o teste de sangue chamado PSA, mas também o toque retal, pois em 20% dos casos de câncer não são detectados pelo teste sanguíneo.

“Muitos pacientes fazem somente o PSA e, por preconceito, não fazem o exame de toque retal, mas os dois procedimentos são necessários. Pesquisas constataram que, em 20% dos casos de câncer de próstata, não há alterações sanguíneas, fazendo com que o teste de PSA não detecte a doença”, explica.

O urologista informa que o câncer de próstata é silencioso e que os primeiros sintomas, como dificuldade para urinar e emagrecimento, só aparecem quando a doença está em estado avançado, afetando outros órgãos. Ele conta que este tipo de câncer é o segundo mais comum entre os homens, ficando atrás somente do câncer de pele, e também o segundo que mais mata, após o câncer de pulmão.

“Quando detectado precocemente, as chances de cura do câncer de próstata chegam a 90%, mas se a doença for diagnosticada em estágio avançado, as chances caem para 20%. Por isso é importante a prevenção, não só em relação aos exames e consultas com urologista, mas também de hábitos saudáveis”, orienta.