Médicos da UPA-BH suspendem atendimentos a suspeitos de infecção pelo coronavírus

Depois da nota oficial do diretor do Hospital Rafael Fernandes, Dr. Oscar de Lima Oliveira declarando não haver condições de atendimento às vítimas do coronavírus, a equipe médica da UPA do Belo Horizonte adotou atitude semelhante.

Há poucos dias, a secretaria municipal de saúde havia definido que a referida Unidade de Ponto Atendimento seria a referência para o atendimento aos casos suspeitos de contaminação pelo Covid-19. Entretanto, essa Unidade de Saúde não foi devidamente aparelhada para essa finalidade.

Diante do risco de contaminação, a equipe médica divulgou nota nas redes sociais no seguinte teor:

“Na data de 02 de abril de 2020, a equipe que integrou o plantão noturno na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do BH (Mossoró-RN) constatou a falta de EPI’s adequados para os profissionais realizarem o atendimento das demandas relacionadas a pandemia do COVID-19. Contrapondo o divulgado na imprensa e redes sociais de que esta unidade é referência para atender casos suspeitos e confirmados de Coronavírus.

Durante o atendimento inicial do plantão noturno, constatou-se 3 (três) casos suspeitos com sintomas de febre, falta de ar, histórico de contato com caso confirmado, colocando em risco toda a equipe ao realizar assistência aos pacientes, uma vez que a unidade não dispõe de equipamentos e insumos necessários para atender aos usuários suspeitos.

Ressalta-se ainda que o setor de isolamento dispõe apenas de 01 (um) leito para os suspeitos de COVID-19 e o mesmo encontra-se contaminado, já que a desinfecção não pode ser realizada na ausência dos matérias de proteção individual adequados.

Dessa forma, a equipe em conjunto decide interromper o atendimento na UPA do BH pela falta de condições básicas, ao mesmo tempo em que comunica às autoridades e aos órgãos competentes para que sejam providenciadas com a máxima urgência as devidas condições de trabalho. Lembrando ainda que, os EPIs e a estrutura relatada acima são fundamentais para segurança dos profissionais de saúde, bem como da própria população. Assim, aguardamos respostas e resolutividade das autoridades competentes para que os atendimentos possam ser normalizados.

Mossoró, 02/04/2020

Atenciosamente,
Equipe de plantão”