Três detentos são enforcados em unidades prisionais potiguares em 24 horas

A Coordenadoria de Administração Penitenciária Estadual (Coape), órgão ligado à Secretaria Estadual de Justiça e Cidadania (Sejuc), confirmou ontem a terceira morte de presos, por enforcamento, dentro de presídios do Rio Grande do Norte, em apenas 24 horas e o 28º caso de assassinatos duvidosos, ocorridos em unidades prisionais de responsabilidade do Estado.

Segundo a Coape, o detento morto na tarde de ontem foi identificado como Douglas Fabrício de Oliveira Pires, encontrado enforcado em uma das celas do Pavilhão A do Complexo Penal Estadual João Chaves, localizado na Zona Norte de Natal.

Antes, pela manhã, a equipe de agentes que estava no plantão da Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nísia Floresta, encontrou mais um detento morto por enforcamento, dentro do Pavilhão IV. Alexsandro Ferreira Barbosa da Silva, 31, foi o segundo detento morto em unidades prisionais em dois dias.

A Coape explicou que “Sandro Magão”, como era conhecido o preso, foi achado pendurado em lençóis, presos a uma pilastra. O detento morto chegou ao presídio em agosto deste ano e respondia pelos crimes de porte ilegal de arma de fogo, adulteração de veículo, receptação de material roubado, falsidade ideológica e associação criminosa.

Na segunda-feira (16), um preso foi achado morto na Cadeia Pública Juiz Manoel Onofre de Souza, em Mossoró. Francisco Antônio Duarte, 27, estava pendurado em lençóis, em uma das grades do banheiro.
A diretora da Cadeia Pública, Aurivaneide Lourenço, explicou que o crime pode ter ocorrido entre as 9h e às 13h, período em que os detentos saem para tomar banho de sol. “No final do banho de sol, quando os presos retornaram às celas, foi feita a contagem e faltava um deles. Ao realizarmos uma busca, o preso foi achado morto por enforcamento, pendurado em uma das grades do banheiro da ala de sol”, destacou a diretora.