Sobrevivente de Auschwitz morre de covid-19

Um dos últimos sobreviventes do Holocausto na Bélgica, Henri Kichka morreu de covid-19 no sábado (25/4), em uma casa de repouso em Bruxelas, aos 94 anos.

Kichka foi um dos poucos homens e mulheres que sobreviveram a Auschwitz, o campo de extermínio criado pelos nazistas no sul da Polônia durante a 2ª Guerra Mundial.

Ele falou à BBC em janeiro sobre sua experiência. Questionado sobre como sobreviveu, Kichka disse: “Não era possível viver em Auschwitz. O lugar em si era a morte”.

Henri Kichka nasceu em Bruxelas em 1926, em uma família judia de origem polonesa. Seus pais haviam fugido do antissemitismo na Europa Oriental para construir uma nova vida no Ocidente.

As mulheres da família — a mãe de Henri, suas irmãs e tia — foram diretamente para Auschwitz, onde morreram nas câmaras de gás assim que chegaram.

E, 60 anos após o fim da guerra, Henri publicou um livro de memórias de sua vida nos campos, Une adolescence perdue dans la nuit des camps (Um adolescente perdido na noite dos campos, em tradução livre), para garantir que sua voz ainda fosse ouvida quando ele se fosse.

Cm informações da BBC