Significado de um protesto

O 13 de dezembro foi marcado por protestos de rua. No País, nova mobilização pelo impeachment da presidente Dilma. Em Mossoró, estrondosa vaia acompanhou o discurso do prefeito Francisco José no encerramento da Festa de Santa Luzia. O Governo Federal comemorou um número menor de contestadores nas ruas. O prefeito diz que deu a volta por cima porque teve coragem para enfrentar uma manifestação que já era esperada. Foi mais longe ainda comparar seu julgamento aos que foram submetidos Jesus Cristo e Santa Luzia. Muito menos serve de conforto lembrar que outros políticos receberam o mesmo tratamento, na mesma Praça da Catedral. De quebra, o bispo diocesano, sem esconder a irritação, registrou a insatisfação da Igreja em relação a projeto de construção do Santuário de Santa Luzia.

O governador Robinson Faria foi mais prudente. Há tempos não participava de solenidades públicas em Mossoró e não estava disposto a ser alvo da mesma insatisfação. Para evitar vexame, mandou avisar ao cerimonial que não usaria da palavra no encerramento da festa. Seus aliados disseram que o governador não costuma falar em cerimônias religiosas, mas a maioria considerou o gesto como uma atitude acertada. De uma forma ou de outra, retornou a Natal sem passar por vexames desnecessários. O episódio da vaia repercutiu por toda parte, por conta das redes sociais que possibilitam uma comunicação imediata pela grande capilaridade que possui. No futuro, por conta desse tipo de inconveniente, é possível que os organizadores da Festa de Santa Luzia retirem do programa a participação de autoridades civis, sobretudo de representantes políticos.

A insatisfação do brasileiro vem aumentando em progressão geométrica. Isso faz com que o nível de intolerância diminua e a reação se torne mais violenta. Em nível nacional o movimento é o Fora Dilma. Em Mossoró, nem de longe, alguém pensou em slogan semelhante para o prefeito. Contudo, a população está ficando impaciente com a falta de compromisso do que foi, vem sendo ou do que será no futuro. A implantação do transporte urbano foi largamente anunciado e festejado para, logo em seguida, se transformar em grande fracasso, com a população ficando penalizada. As ações da saúde atingiram o nível mais baixo se comparado às administrações anteriores. Médicos em greve durante vários meses do ano, postos desabastecidos e a prefeitura responsabilizando o Governo do Estado pela falta dos repasses que seriam de sua responsabilidade.

Milhares de manifestantes em praça pública vaiando a autoridade maior do município não pode ser visto como um ato isolado. Dizer que foi um ato orquestrado é desafiar a inteligência do povo. Desafiar os presentes continuando num discurso longo sem mensagem concreta foi inabilidade. Em pouco mais de nove meses o mossoroense elegerá seu novo prefeito. Nesse período, havendo desgaste, quem está no poder sente o esvaziamento da máquina administrativa, Um prefeito tem condições de virar o jogo em pouco tempo, mas, em Mossoró, essa perspectiva é remota. Em política, até mesmo o impossível pode acontecer. Hoje, o que se observa é uma articulação política diferente com a participação de segmentos que antes permaneciam à distância do pleito. E o prefeito tem sido mantido à margem das decisões que são tomadas.