Sesap e município discutem possibilidade de fechamento do Hospital da Mulher

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) realizou ontem reunião com a secretária municipal de Saúde, Leodise Cruz, em Natal, para tratar da possibilidade de fechamento do Hospital da Mulher Parteira Maria Correia. A unidade, mantida pelo Governo do Estado, poderá ser fechada e os partos devem passar a ser realizados na Maternidade Almeida Castro, na Casa de Saúde Dix-sept Rosado (CSDR).
“Na reunião, foi discutida uma proposta alternativa que assegurará a assistência materno-infantil para as regiões Oeste, Alto Oeste e Vale do Açu, dentro do processo de regionalização da Saúde que vem ocorrendo no RN”, informa a Sesap em nota.

A Sesap declara ainda que, paralela à unificação das duas unidades que atualmente realizam partos na cidade, encontra-se em execução o projeto para construção do Hospital Materno-Infantil de Mossoró, em parceria com a Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern). A proposta de construção do novo hospital faz parte do projeto RN Sustentável, e tem previsão de conclusão para 2018.

A reunião de ontem não contou com a participação do secretário de Estado da Saúde Pública, José Ricardo Lagreca. O Governo do Estado foi representado pela coordenadora de Operações de Hospitais e Unidades de Referência da Sesap, Milena Martins. A Sesap não informou a previsão de quando o Hospital da Mulher deve parar de funcionar e nem como será o processo de unificação com a Maternidade Almeida Castro.

O Hospital da Mulher é especializado na realização de partos de alta complexidade e recebe demanda de todos os municípios da região Oeste do Rio Grande do Norte, além de cidades do estado do Ceará e até da Paraíba. A unidade enfrentou superlotação no ano passado quando teve de atender sozinha aos partos na cidade após a CSDR deixar de realizar o procedimento.

Contatada para falar sobre os efeitos do possível fechamento do Hospital da Mulher para o município, a assessoria de comunicação da Secretaria Municipal de Saúde informou que o encerramento do atendimento na unidade já era considerado diante da construção do Hospital Materno-Infantil de Mossoró, que ainda nem começou a ser construído. Em nota, a assessoria conta ainda que a CSDR tem capacidade para realizar partos de alta complexidade, até então feitos pelo Hospital da Mulher.

Junta interventora da CSDR não se pronuncia sobre possível fechamento do Hospital da Mulher

Questionada sobre o impacto do fechamento do Hospital da Mulher, a assessoria de comunicação da CSDR informou que a junta interventora não irá se pronunciar sobre a possível fusão das duas unidades. A assessoria declara ainda que atualmente a unidade têm 136 leitos divididos entre maternidade e hospitalares.

“Desde que voltou a funcionar sob direção de uma junta interventora, em outubro do ano passado, a Casa de Saúde Dix-sept Rosado foi aumentando gradativamente a quantidade de serviços oferecidos. A CSDR hoje tem capacidade para realizar até 500 partos por mês”, informa a assessoria.

A assessoria disse que ainda não há informações de como deve ser feita a unificação. Como, por exemplo, se os equipamentos e equipes de trabalho do Hospital da Mulher serão transferidos para a CSDR.