Servidores organizam “vaquinha” em prol do Natal de terceirizados

Servidores efetivos do Centro Clínico Evangélico Edgardo Burlamaqui organizam vaquinha para que os funcionários que prestam serviço terceirizado na unidade passem o Natal com menos dificuldades financeiras. Os trabalhadores das empresas que terceirizam serviços à Prefeitura Municipal de Mossoró (PMM) amargam atraso salarial de cinco meses, motivado pela falta de repasse da gestão municipal às empresas.

Procurada para falar sobre a mobilização dos servidores, a diretora do Centro Clínico Evangélico não foi localizada. Em nota, a assessoria da Secretaria Municipal de Saúde informa que a unidade dispõe de 39 servidores e funciona por meio de parceria entre a PMM e a igreja Assembleia de Deus, que contribui mensalmente com verba para a manutenção do prédio que abriga o Centro.

Questionada sobre a previsão de pagamento às empresas terceirizadas, a assessoria de comunicação da PMM informa que só será possível pagar o valor referente a um mês da dívida no próximo dia 11, através dos repasses extras previstos pelo Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Já o restante da dívida deve aguardar por tempo indeterminado.

“Na reunião com representantes das empresas e dos trabalhadores terceirizados, o prefeito Francisco José Júnior informou sobre a atual situação econômica do município. Estamos buscando soluções para regularizar os débitos e equilibrar as contas e uma das medidas deve ser o corte de 50% dos serviços terceirizados”, declara a assessoria.