Servidores do Itep entram em greve por tempo indeterminado

Servidores do Instituto Técnico e Científico de Polícia (Itep) entraram em greve ontem por tempo indeterminado. De acordo com a categoria, a greve só será suspensa quando o Governo do Estado resolver a questão do enquadramento dos servidores no Estatuto do Itep.

Com a greve, apenas 30% dos serviços estão sendo realizados, que são: os casos de flagrante, recolhimento de cadáveres e exames de corpo delito em suspeitos de crime ou em vítimas de crimes.
“Os serviços essenciais estão mantidos, como determina a lei. Os demais trabalhos foram suspensos e assim permanecerão durante toda a greve”, explica Paulo César de Macedo, presidente do Sindicato dos Policiais Civis e Servidores da Segurança Pública (Sinpol).

GREVE
Ontem, os servidores Itep se concentraram na frente da sede da unidade de Natal, na Ribeira, de onde saíram equipes para as centrais do cidadão orientar à população sobre a suspensão das atividades.
“Infelizmente, chegamos ao ponto de termos que deflagrar uma greve, pois o governador Robinson Faria ao invés de cumprir com a palavra dada quando ainda era candidato e também depois de eleito, de que iria enviar a minuta que estava pronta desde 2013, não o fez. Ao contrário disso, ao longo deste ano de 2015, este Governo criou outras cinco minutas, todas elas gerando grandes prejuízos à maioria dos servidores. E isso a categoria não vai aceitar de maneira nenhuma”, declara.

Os servidores alegam que as minutas apresentadas pelo Governo do Estado exclui a maioria dos profissionais que trabalham naquele órgão, contemplando apenas uma pequena parcela que entrou através de concurso. “O Sinpol, representante legal dos servidores do Itep, por diversas vezes apresentou ao Governo do Estado contrapropostas e alternativas para resolver essa questão, de forma que o Estatuto fosse construído da maneira mais justa possível, porém, o Governo insiste em não querer enquadrar os servidores”, concluiu.