Senadora do RN pede punição para responsáveis por catástrofe ambiental

A senadora Fátima Bezerra (PT-RN) disse, ontem, no plenário do Senado, que a tragédia provocada na cidade mineira de Mariana (MG), com o rompimento de duas barragens da Samarco, é fruto da irresponsabilidade dos que conduzem negócios sem ter o devido olhar para as vidas humanas.

Fátima Bezerra lembrou que a cidade de Mariana encontra-se em situação de calamidade pública, além de viver a maior tragédia ambiental do país.

A senadora cobrou das autoridades fiscalização para que tragédias similares também não ocorram na região Nordeste, onde milhares de famílias vivem nas proximidades de barragens.

“Quero aqui reforçar o nosso apelo ao governo federal, ao governo da presidenta Dilma, para que tome as providências firmes para punir os responsáveis e, mais do que isso, atuar para evitar novas tragédias. Nós precisamos mais do que nunca garantir que barragens como a de Mariana sejam seguras para as populações que vivem próximas delas”, disse Fátima Bezerra.

HOMENAGEM
Por sugestão da senadora Fátima Bezerra (PT-RN), o ex-prefeito de Natal, Djalma Maranhão, que revolucionou a educação na capital do Rio Grande do Norte, foi homenageado em sessão solene do Congresso Nacional, ontem.

A sessão do Congresso, realizada a pedido da senadora Fátima, acontece no mês em que Djalma Maranhão, falecido no exílio, aos 55 anos, completaria o centenário de nascimento.

Primeiro prefeito de Natal eleito pelo voto popular, Djalma foi um político além do seu tempo, que revolucionou o modo de se administrar e, comprometido com as causas sociais que era, governou com os olhos voltados para o povo. Com isso, é reconhecido ainda hoje, como lembrou Fátima Bezerra, como uma das gestões mais progressistas que Natal já teve.

Quando Djalma Maranhão se elegeu, em 1960, encontrou mais de 30 mil analfabetos entre os 150 mil habitantes de Natal. Isso fez com as metas principais de sua administração fossem a educação e a cultura, o que resultou na campanha “De Pé no Chão Também Se Aprende a Ler”.