Sandra afirma que Mossoró precisa reagir à tentativa da PMM de antecipar royalties

A suplente de deputado federal Sandra Rosado (PSB) reagiu, ontem, à intenção do prefeito Francisco José Júnior (PSD) de utilizar, na sua gestão, recursos dos royalties de petróleo que a Prefeitura de Mossoró receberá nos próximos anos. Em entrevista ao Jornal das Cinco, na FM 105, ela considerou a iniciativa “gravidade enorme” e advertiu que Mossoró precisa ficar em estado de alerta por causa dessa tentativa.

“Isso representa quatro ou mais anos para frente de royalties que Mossoró tem a receber, mas o prefeito quer antecipar para sua gestão, que, aliás, já recebe royalties mensalmente. Apesar disso, ele quer usurpar o direito do próximo prefeito ou prefeita de ter os royalties mensalmente na conta da Prefeitura. Ele quer administrar esses recursos”, explicou.

Sandra Rosado conclamou a sociedade de Mossoró a se posicionar contra a tentativa. “Porque isso é um absurdo, um descalabro. Mossoró não pode aceitar, tem que ir para as ruas protestar. Acho até que Ministério Público e Justiça têm que se manifestar, como também clubes de serviços, ONGs, enfim, a cidade como um todo. Não podemos permitir que esse desastre administrativo seja continuado da forma como estamos vendo”, comentou.

LARISSA
Na entrevista, ela também comentou o pronunciamento do presidente da Câmara de Mossoró, Jório Nogueira (PSD), que, terça-feira (20), no plenário da Casa, apelou ao governador Robinson Faria (PSD) para que viabilize a convocação da primeira suplente de deputado estadual Larissa Rosado (PSB) à Assembleia Legislativa.

“Acho que o vereador Jório, inclusive o agradeci pelo gesto, interpretou o sentimento de Mossoró. Por onde ando, ouço que a cidade sente falta do mandato na Assembleia Legislativa. Mossoró fez de Larissa a deputada estadual mais votada da cidade, me fez a federal mais votada, mas a fortuna de outros candidatos fez com que não chegássemos ao espaço que queríamos conquistar para a cidade”, disse.

Esse fato, segundo Sandra, dói muito em toda a Mossoró, “que sempre teve voz no parlamento estadual, mas que, de repente, essa voz desapareceu. E não por causa do resultado de Mossoró, mas por outras cidades, que requeriam um investimento que não podíamos fazer. Acredito que foi esse sentimento que levou o vereador Jório Nogueira a se expressar como se expressou”, avaliou.

SUCESSÃO 2016
Sobre a próxima eleição à Prefeitura de Mossoró, Sandra Rosado, perguntada a respeito, não descartou a união da família Rosado. “Em Mossoró, houve evolução muito positiva no quesito radicalismo político, que não cabe mais. E tenho escutado muito da população que está na hora dos Rosado se unirem. Entendo esse clamor e vejo com naturalidade uma reunificação, parceria, em partidos diferentes, mas que possam caminhar juntos”, posicionou-se.

Ela revelou já ter conversado com a ex-governadora Rosalba Ciarlini e com o ex-deputado estadual Carlos Augusto. “Nunca tivemos limites na relação pessoal. Na questão política sim, tivemos distanciamento forte. Mas, qualquer união que seja importante para Mossoró, de Rosado ou não Rosado, uma união para tirar Mossoró desse caos administrativo, para retomar o crescimento, é salutar”, concluiu.