Já está definido o calendário nacional de inscrições para quem quer tentar uma vaga no ensino superior em 2020 / Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

Saiba como concorrer a vagas no ensino superior com a nota do Enem

Com a divulgação das notas dos 3,9 milhões de participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2019, o próximo passo para os estudantes que já terminaram o ensino médio é a candidatura a uma das vagas de universidades públicas ou bolsas oferecidas pelos programas do governo federal.

Sistema de Seleção Unificado (Sisu) oferecerá 237 mil vagas para cursos universitários nas instituições públicas. O único pré-requisito para concorrer é não ter zerado a redação do Enem.

A inscrição é gratuita e deve ser feita na página do Sisu na internet entre os dias 21 e 24 de janeiro. Cada candidato poderá tentar uma vaga em até dois cursos.

Os inscritos no Sisu também poderão concorrer a bolsas do Programa Universidade para Todos (Prouni), no Fundo Financiamento Estudantil (Fies) e no Programa de Financiamento Estudantil (P-Fies).

O Prouni foi criado pelo governo federal em 2005 e, neste ano, oferece 249 mil bolsas de estudo em cursos de graduação de instituições particulares.

O pré-requisito é ter obtido média de, no mínimo, 450 pontos na prova e não ter zerado a redação. É necessário ter cursado o ensino médio em escola pública e comprovar renda familiar mensal de até 1,5 salário mínimo, para concorrer à bolsa integral, ou de 3 salários mínimos, para bolsa parcial.

As inscrições estarão abertas entre 28 e 31 de janeiro e devem ser feitas pelo site do Prouni.

Há ainda a possibilidade de ingressar no ensino superior privado utilizando programas de financiamento do Ministério da Educação.

O Fies e o P-Fies têm 70 mil vagas disponíveis e aceitarão inscritos entre 5 e 12 de fevereiro por meio do site sisfiesportal.mec.gov.br. Poderão acessar o financiamento a juro zero do Fies, estudantes que tiverem uma renda per capita mensal familiar de até três salários mínimos.

O P-Fies, que utiliza financiamento de bancos privados, aceita estudantes com renda familiar de até cinco salários mínimos.

 

 

Brasil de Fato