REMINISCÊNCIAS – DOUTOR SARAIVA SOBRINHO, EX- JUIZ DE MOSSORÓ

Cada vez mais me torno consciente que Mossoró, desde os primórdios do tempo, foi cidade escola de vida até como sobrevivência, com isto lembro a Seca de 1817.

Em todos os segmentos da sociedade profissional, política, social e econômica torna-se esta cidade um referencial de ensinamentos, naturalmente por ser uma cidade polo de uma região ampla territorialmente.

Até porque na economia sempre foi uma região trampolim na produção de algodão, cêra de carnaúba, principalmente o sal, que até os dias atuais assegura efetiva produção salineira e exportadora desse cultivo para o país inteiro.

Por sua natureza, a perspectiva econômica favoreceu a vinda de muitos comerciantes, como Henry Koster, de nacionalidade estrangeira, que, viajando por essas terras nordestinas, se alojou em Mossoró com perspectiva de construir riquezas.

Outros fatores da atividade humana têm suas semelhanças. O judiciário não é diferente. Pelos idos de 1985 a cidade recebe o doutor Francisco Saraiva Sobrinho, que, com sua capacidade de trabalho, programou uma atuação que mereceu destaque na Vara Criminal.

Dentro de uma agilidade de tempo, promoveu 204 audiências, 111 sentenças, além de 134 sessões de julgamento, pelo que consta nos arquivos históricos do pesquisador Raibrito. Com sua atuação iniciou o trabalho na Primeira Vara Criminal, reunindo a primeira Câmara de Julgamento Criminal, o Júri Popular, naturalmente sendo este feito que o notabilizou.

Final da década de 50, início de 60, conheci, ainda quando por aqui não existia fórum, muitos juízes, cada qual o melhor, mais interessado em suas atividades e amigo de todos os mossoroenses. Não os cito para não cair em falta de citar alguém.

Com absoluta razão concordo em que todos os que deixarem a cidade tiveram o mesmo sentimento que teve o doutor Saraiva ao deixar Mossoró, quando expressou:

– Saio com o propósito de me preparar para outro cargo, Juiz Federal.

– Reconheço Mossoró como uma verdadeira e legítima escola.

Assim como os outros que por aqui passaram, a cidade reconhece a eficiência de cada um com agradecimentos pelo  trabalho exercido na Vara da Justiça e em outras atividades que porventura tenham exercido na cidade.