Reminiscências: Brasília em Livros

Wilson Bezerra de Moura

Aos poucos revivemos fatos que se transformaram em notícias e estas em livros que, juntando-se de parcela em parcela, forma-se a história, até porque assim é feita a biografia da humanidade.

Os pequenos detalhes da vida evolutiva da humanidade transformam-se na existência de acontecimentos, de um sonho em realidade.

O caso de Brasília foi um destes, concretizado quando da mudança da capital brasileira, o Rio de Janeiro, para o Planalto Central, a cidade de Brasília marcou época na década de 60.

A capital Rio de Janeiro, conhecida pelo mundo inteiro como cidade maravilhosa, cedeu lugar à cidade arquitetada pelo grande arquiteto Oscar Niemeyer, por uma questão geográfica no Planalto Central, expandiu uma beleza edificada pela mão da intelectualidade do homem.

Tão empolgada com sua beleza produzida, o arquiteto Oscar Niemeyer certa ocasião disse, reportando-se aos políticos corruptos: “Construir Brasília para esse povo é mesmo que comprar um penico para eles fazerem cocô”.

O jornalista e escritor Adirson Vasconcelos concluiu um livro Memorial sobre nomes dos verdadeiros construtores dessa bela capital, que merece ser visto e gravado na história para todo o sempre.

Os pioneiros da construção de Brasília merecem não só reconhecimento pela imponente arquitetura, mas a construção moderna disponível ao desenvolvimento de uma geração impiedosamente dentro dos caracteres do desenvolvimento. A biografia de mulheres e homens envolvidos na sua construção, a exemplo do próprio presidente da República, Juscelino Kubitschek, do mais graduado engenheiro ao mais humilde servidor, todos foram unânimes em acreditar na história de uma capital transparente de beleza.

A imprensa internacional foi concisa em taxar como a obra mais significativa do século XX, para orgulho de todos os brasileiros.

Os melhores nomes da intelectualidade da época, Juscelino Kubitschek, Gilberto Freire, Josué Moncello, João Moham e outros fizeram declarações e firmaram base sobre uma obra que merece o reconhecimento do mundo inteiro.

Mostrar comentários (1)