Reflexões teológicas – Ricardo Alfredo

PENSAMENTO – O justo viverá pela fé.

“Porque no Evangelho é revelada a justiça de Deus, uma justiça que do princípio ao fim é pela fé, como está escrito”: “O justo viverá pela fé”. (Romanos 1:17).

 

O ESCLARECIMENTO DA CORRETA RELAÇÃO ENTRE O CRISTÃO E A POLÍTICA

De início é bom relatar que a Bíblia orienta os verdadeiros aspectos sobre a política e a relação que cada cristão deve ter com ela. Ou seja, está relação deve ter um tratamento especial aos que se dizem servos de Deus. Visto que, o próprio Deus, tem profundo interesse nesta temática.

Entretanto, é visível que muitos cristãos, negligenciaram está área por dezenas de décadas, motivados por ensinamentos errados, ou fundamentados dogmáticos, meramente humanos, do apenas eu acho que! E foi exatamente este ponto de vista humano, discriminativo e sem base bíblica, que tornou a igreja de Cristo radical e com uma visão distorcida da realidade que é a política e como ela pode ser usada para fazer o bem ou criar o caos. E assim, foi gerada uma diversidade de estereótipos e negação da política. Porém, as sagradas letras ensinam todo o proceder cristão no mundo político. E ao mesmo tempo, demostrando que o agir nas políticas é a maior forma de amor ao próximo.

Estes preceitos ou mesmo conceitos disfarçados de santidade, distorcem a compreensão do parecer bíblico em relação à política. Pois em décadas foi doutrinado que a política é um face do mal e que todos que professam a Cristo como salvador devem se afastarem dela. Em conjunto a essas ideias, esquisitas, ainda tem os que anunciam, com voz de alarido, que o cristão não deve participar e nem se envolver no mundo político, pois Cristo está voltado e quem dela participar não terá parte do reino de Deus. Essa é uma doutrina estranha e sem nenhum respaldo bíblico.

Por outro lado, temos aqueles que entram no mundo político e passam a ter uma posição política prejudicial a formação da consciência cristã, visto que os mesmos anunciam que o cristão só pode votar em cristão. Criando uma ilusão óptica de que somente o Evangélico pode ser um bom político.

Diante de tudo que foi colocado, resta-nos uma pergunta, como o cristão deve enxergar a política e nela atuar? As sagradas letras apontam o caminho correto desta relação, ou seja, a visão correta sobre a política e as políticas públicas. Eis alguns pontos elucidativos, vejamos:

1- É obrigação do cristão orar pelas autoridades constituídas, para que elas executem o papel para qual foram chamadas. Quando as autoridades fazem corretamente o que delas se espera, o povo pode desfrutar de uma vida social mais equilibrada (1 Timóteo 2:1,2).

2- O cristão deve ser um bom cidadão e se submeter às autoridades. Ele deve apoiar e se enquadrar àquelas leis que são justas, boas e coerentes. Além disso, ele também deve cumprir suas obrigações tributárias (Mateus 22:15-21; Romanos 13:6,7).

3- O cristão deve se opor às autoridades quando estas promovam leis contrárias à Palavra de Deus. Quando o Estado proíbe aquilo que Deus exige, ou exige aquilo que Deus proíbe, inevitavelmente o cristão irá incorrer em desobediência civil. A base que legitima essa desobediência é o entendimento de que a soberania do Estado não é absoluta, mas está abaixo da soberania de Deus (cf. Atos 4:18-31; 5:17-29).

É dever e obrigação do cristão protestar contra as ações ilegais e as injustiças no meio da política. E jamais esquecer que este protesto deve ser feito de forma ordeira e pacifica. Em nenhuma parte das Sagradas Letras, o servo do altíssimo Rei, é aconselhado a se omitir, se calar ou não dar importância à vida em sociedade ou mesmo vê a injustiça e silenciar sobre ela. No caso concreto, o que encontramos é uma profunda orientação dada pelo Cristo, em forma de advertência aos seus seguidores ao dizer: “Vós sois o sal da terra; vós sois a luz do mundo.” (Mt 5:13) e logicamente está relacionado a todos os sentidos. Os padrões expostos mostram que o servo do altíssimo Rei, devem tomar parte na vida da sociedade como agentes preservadores e transformadores, para que seja refletido o padrão moral solicitado por Deus por meio de sua santa palavra.

Portanto, não é tarefa fácil servir ao rei universal em qualquer função social, já que, os desafios do dia a dia, as provas, as tentações mundanas, as tribulações, as lutas inerentes a vida, nos lança na fornalha da provação e busca nos afastar da missão correta e da fé.

REFLEXÃO DO DIA – A diferença entre o justo e o ímpio

“Então, vereis outra vez a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve a Deus e o que não o serve”. (Malaquias 3:18)

O JUSTO – Leal a Cristo; age por Fé; usa a Ética da Palavra de Deus; suas ações Glorifica Deus; Pauta sua vida na Bíblia; Busca agradar a Deus; Respeita o mais fraco e oprimido.

O ÍMPIO – sempre contrário a Cristo; aparente razão; busca sua Ética própria; gosta de se autoglorificar; pauta sua vida naquilo que a sociedade convenciona ser o certo; busca agradar somente aos homens; despreza o mais fraco e oprimido.

 

DISPUTAM NOS BASTIDORES VAGA QUE SERÁ ABERTA NO STF EM JULHO

Três nomes do segmento evangélico estão no páreo disputando a indicação para a vaga no STF que será aberta com a aposentadoria do Ministro Marco Aurélio Mello, dentro de seis meses. (graças a Deus). Entre os nomes cotados para a vaga está a do juiz federal William Douglas dos Santos, que tem apoio de diversas lideranças evangélicas no Brasil, como o bispo Estevam Hernandes, da Igreja Renascer em Cristo, e o missionário R.R. Soares, da Igreja Internacional da Graça de Deus, além de ser visto com bons olhos pela maioria da bancada evangélica no Congresso Nacional.

O Ministro da Justiça André Mendonça, leal ao presidente Jair Bolsonaro e também evangélico. Para o deputado Marco Feliciano, o Ministro “André representa os nossos valores, é um grande jurista e tem experiência em Brasília”.

O outro nome que vem correndo por fora, é o do presidente do STJ, o adventista Humberto Martins, de 64 anos. (Fonte: JM Notícia).

 

MEMÓRIA DAS VÍTIMAS DO HOLOCAUSTO

No Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, celebrado anualmente em 27 de janeiro, em nossos dias é necessário que as pessoas “fiquem atentas” para que tragédias como o assassinato de milhões de judeus não seja repetido. A data foi instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2005 e tem como objetivo lembras das milhões de vítimas.

No dia 27 de janeiro de 1945, as tropas soviéticas entraram no campo de concentração de Auschwitz e libertaram os sete mil sobreviventes que estavam no local. (Fonte: Último Segundo).

 

GRUPOS “DITOS CRISTÃOS” PROTOCOLAM PEDIDO IMPEACHMENT DE BOLSONARO

Um grupo de líderes, ditos cristãos, com estreitas relações com a esquerda protocolou nesta terça feira (26), na Câmara dos Deputados, um pedido pela abertura de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro, acusando o chefe do Executivo de “política genocida” e “postura negacionista”.

O documento é apoiado por organizações como o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil, Juventude Franciscana do Brasil, Aliança de Batistas do Brasil, religiosos ligados à Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, Igreja Evangélica de Confissão Luterana do Brasil e à Comissão Brasileira Justiça e Paz da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) entre outras. (gospelprime.com.br).

 

INTERNACIONAL – começo do fim

O estado de Israel já se posiciona em relação do novo acordo nuclear com Irã.

A comunicação foi feita pela televisão israelense, que destacou: estamos alerta sobre um possível retorno do USA aos acordos já pactuado sobre a produção nuclear do Irã. O estado israelense comunicou que o presidente Joe Biden pode levar os países a uma crise nas relações.

No mesmo noticiário do canal 12 de notícias, “um alto funcionário israelense” disse que “se Biden adotar o plano de Obama, não teremos nada para conversar com ele”. Ele fez referência ao Plano de Ação Conjunto Global assinado pelo ex-presidente Barack Obama em 2015.

Quanto tudo acontece, o regime islâmico iraniano declarou que não tem interesse em chegar a nenhum acordo subsequente e também alertou que não retornará ao cumprimento do JCPOA até que os EUA suspendam as sanções impostas por Trump. (Fonte: Gospelprime.com).

 

AMOL – Academia Mossoroense de Letras

 

A AMOL está em plena atividade logística para dar posse aos novos membros eleitos da academia. Há frente da equipe está o imortal Filemon Rodrigues, vice-presidente, Taniamá, secretaria de eventos, o secretário geral Almir Nogueira, o tesoureiro Ricardo Alfredo e o presidente Élder Heronildes.

 

 

 

PAINÉIS TEMÁTICOS DAS ACADEMIAS (ACJUS e ALAM).

Com a temática “A mulher nas Academias”, as duas Academias Acjus e Alam, representadas pelos seus imortais, apresentaram de forma histórica, todo momento feminino nas academias, tendo como mediadora a doutora Taniamá Barreto e como debatedores Socorro Cavalcante, Geraldo Maia e Kátia Cilene. O inicio do painel é as 16h.

 

AVISO:

As Militâncias políticas injustas e que ferem a vontade do Senhor certamente o desagradarão e não trarão bênçãos duradouras àquela causa. “Não havendo sábia direção, cai o povo, mas na multidão de conselheiros há segurança”, (Provérbios 11:14).

 

ORIENTAÇÕES BÍBLICAS SOBRE O PROCEDER NA POLÍTICA.

Todos devem sujeitar-se às autoridades governamentais, pois não há autoridade que não venha de Deus; as autoridades que existem foram por ele estabelecidas. Portanto, aquele que se rebela contra a autoridade está se opondo contra o que Deus instituiu, e aqueles que assim procedem trazem condenação sobre si mesmos. Pois os governantes não devem ser temidos, a não ser por aqueles que praticam o mal. Você quer viver livre do medo da autoridade? Pratique o bem, e ela o enaltecerá. Pois é serva de Deus para o seu bem. Mas, se você praticar o mal, tenha medo, pois ela não porta a espada sem motivo. É serva de Deus, agente da justiça para punir quem pratica o mal. Portanto, é necessário que sejamos submissos às autoridades, não apenas por causa da possibilidade de uma punição, mas também por questão de consciência. É por isso também que vocês pagam imposto, pois as autoridades estão a serviço de Deus, sempre dedicadas a esse trabalho. Deem a cada um o que lhe é devido: se imposto, imposto; se tributo, tributo; se temor, temor; se honra, honra.  (Romanos 13:1-7).