Professores falam da paixão pelo ensino

Hoje é comemorado o Dia do Professor. Profissão responsável pela formação de todos os outros trabalhadores, o magistério continua sendo a paixão de muitos professores que, mesmo diante de diversas dificuldades e mudanças pelas quais passou a cultura e o ensino no Brasil, afirmam amar o que fazem. Entre os maiores prazeres em ser professor, eles apontam a satisfação de contribuir com a formação de outras pessoas.

“Eu amo o que faço. Dou aula há 30 anos e o que mais me marca é ajudar os alunos a descobrirem seu potencial, mostrar que eles são capazes de aprender. Sinto orgulho em ver meus ex-alunos hoje concluindo já o mestrado. É uma carreira apaixonante. Se você não tem vocação, é melhor não começar para não prejudicar a orientação dos alunos”, conta a pedagoga Fátima Feitosa.

A pedagoga conta que, entre os principais desafios enfrentados pelos professores está a falta de envolvimento dos pais na educação das crianças e jovens. Ela conta que a ausência dos familiares aumenta a responsabilidade do professor.

Como solução para aumentar a participação dos responsáveis na vida escolar, ela aponta a mudança na postura das escolas em realizar também reuniões para falar dos avanços e potencialidades, e não somente dos problemas dos alunos.

Outro benefício de seguir no magistério, segundo o professor de Literatura, Demóstenes Dantas Vieira, é o contato com as novas gerações. Ele alerta que a profissão pode passar por um “apagão” nos próximos anos devido à falta de jovens com interesse em seguir a carreira de professor, sobretudo nas áreas de Ciências Exatas e Biológicas.

“A convivência com as crianças e jovens rejuvenesce. Sou apaixonado pelo que faço e me orgulho de ter tido bons professores. O professor, através do bom trabalho, é o principal incentivador dos jovens a seguir a profissão, mas tem ficado cada vez mais difícil fazer com que eles, mesmo reconhecendo a importância, sigam o magistério”, declara Demóstenes Dantas.