Porcellanati vai a leilão e Câmara Municipal reage

O leilão do patrimônio físico da Porcellanati Revestimentos Cerâmicos em Mossoró, marcado para ontem, foi adiado para o próximo dia 18, segundo informou a vereadora Izabel Montenegro (PMDB), na Câmara Municipal. O motivo do adiamento é que não houve arrematadores. O lance inicial é de R$ 15,021 milhões.

Promovido pela Justiça Federal, o leilão visa a arrecadar dinheiro para pagamento de dívidas da empresa. Estima-se que, nos últimos anos, a Porcellanati (grupo Itagres) acumulou dívidas milionárias de cunho trabalhista, e com fornecedores, como Cosern, Potigás, e parou de funcionar em abril do ano passado.

POLÊMICA
A falência da empresa e o leilão provocaram reação na Câmara Municipal, na sessão de ontem. A vereadora Izabel Montenegro (PMDB) protestou contra o fechamento, muito pelo fato de a Porcellanati ter recebido cerca de R$ 120 milhões em recursos públicos, a título de financiamento.

Em aparte, o vereador Francisco Carlos (PV) pediu que a Prefeitura reincorpore ao patrimônio público terreno, no Distrito Industrial, doado à fábrica Porcellanati.

“O terreno onde a indústria está instalada não é propriedade particular”, justificou o vereador, que não concorda que seja leiloado para pagamento de dívidas da empresa. Entende que, como foi doado pelo Executivo, merece retornar ao Município.