População reclama da suspensão no atendimento do Caps Infantil

Familiares de pacientes do Centro de Apoio Psicossocial Infantil (Caps I) denunciam a suspensão no atendimento a crianças e adolescentes no turno vespertino desde julho deste ano. A falta de atendimento foi motivada pelo corte nas horas de trabalho de profissionais na unidade após a Prefeitura Municipal de Mossoró (PMM) baixar o limite de carga horária mensal de 60h para 30h.

“Meu filho era atendido às segundas-feiras à tarde, mas desde que cortaram a carga horária do Caps Infantil, ele não foi realocado para outro horário. Nós, mães, já nos reunimos e fomos à PMM, mas até agora só recebemos promessas de que o atendimento retornaria. Essa demora prejudica o tratamento das crianças”, conta a mãe de um dos pacientes do Caps I.

De acordo com a diretora do Caps I, Márcia Mayara, a unidade passou por problemas devido à falta de fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, educadores físicos e pedagogos. Ela afirma que a Secretaria Municipal de Saúde enviou dois fonoaudiólogos e um terapeuta ocupacional, mas ainda não há previsão de quando deve ser disponibilizado um pedagogo.

“Nossa pedagoga atendia pela manhã e à tarde, de segunda a sexta-feira, mas agora só atende no turno matutino. Devido à grande demanda, não pudemos realocar os pacientes vespertinos. Já solicitamos mais um pedagogo para o Caps Infantil, mas ainda não foi possível”, explica a diretora.

Contatada, a assessoria de comunicação da Secretaria Municipal de Saúde informou que não tem previsão de quando deve ser disponibilizada mais uma pedagoga para o Caps Infantil. A unidade atende a 220 crianças e adolescentes de Mossoró.

No mês passado, familiares de pacientes participaram de audiência na Câmara Municipal de Mossoró (CMM) para discutir os problemas enfrentados pelo Caps I, mas até hoje nenhuma ação foi tomada pelo restabelecimento nos atendimentos.