PÍLULAS PARA O SILÊNCIO (PARTE CCIII) – Clauder Arcanjo

Foto: Chegada, de Marcão Melo.

Chovia fino. Ele se aproximou num trotear miúdo. Sem se anunciar, desceu do cavalo, coçou a barba rala e ajeitou o chapéu sobre a cabeça. Nesse instante lembrou-se de que saíra dali havia mais de dez anos.

Quando entrou no alpendre, sentiu-lhe a presença.

Engoliu a saliva grossa, na tentativa de fazer com que a voz lhe saísse firme.

Quando ele pôs os olhos na saleta, vencendo a porta de entrada, viu, ao canto, a imagem dela no espelho. Arrumava os cabelos longos, ajustava o vestido de chita.

Um sorriso se formou nos lábios dele, marcados pelos anos. Apesar do risco da repulsa, concluiu que ali, junto a ela, era o seu lugar.

 

&&&

 

Ao ler uma passagem mais romântica no livro de cabeceira, sentiu-se como se presente na novela.

— De que está rindo, Gumercindo? Espero que não esteja mangando de mim!

Guardou o pequeno tomo na gaveta, e se virou na direção dela. Quando viu a cabeleira, repleta de grampos e bobes, não conseguiu disfarçar o espanto. Refeito, ousou uma tímida declaração de amor:

— O riso me acode quando penso em ti, Dalmira.

— Está com os parafusos da cachola frouxos? — disparou a companheira, tentando arrumar mais alguns grampos no cocuruto.

Gumercindo, precavido, deixou-a em paz com o seu penteado esdrúxulo, e retornou para os encantos da mocinha da novela.

 

&&&

 

Cansado de tentar adivinhar o dia da chuva, e ter que se justificar perante a numerosa tribo, o sofrido pajé resolveu providenciar uma assinatura do Canal do Tempo.

— Hoje teremos a presença de uma nova frente fria, vinda do Pacífico; aliada a uma zona de baixa pressão, próxima ao Equador. Com a união desses dois fenômenos climáticos, ocorrerão chuvas esparsas no final da tarde. Algo não superior aos vinte milímetros.

A tribo ficou em silêncio com aquele anúncio. Alguns, atribuindo ao chá que o velho bruxo passara a tomar; outros, julgando-o já castigado pelos anos.

No final da tarde, com o céu limpo e o Sol ainda imperial, o pajé esbravejava:

— Malditos reis da chuva dos homens brancos! Malditos!

Naquela noite ele foi deposto do cargo, e dado como imprestável para a nobre função.

 

&&&

 

Daria tudo que tinha para ouvir a voz de Crescência reclamando dos seus porres. “Vai acabar com a pinga do mundo, ou para antes, desgraçado?”

Os olhos turvos de saudade, a boca seca, os pés mal postos nas alpercatas. Ajoelhou-se, levou a mão direita para a placa de metal afixada no túmulo de Crescência e, entre lágrimas, sussurrou:

— Você, Crescência, que nunca bebia.

 

&&&

 

Queria ser notável, foi ordinário. Ao julgar-se brilhante, mostrou-se reles.

Ao desistir do posto de extraordinário, todos o aclamaram como um cidadão singular.

 

&&&

 

Notabilizou-se por julgar as obras literárias tão somente lendo o impresso nas orelhas dos tomos.

Quando o desancaram, ao descobrirem o seu “estranho” método crítico, ele, sem meias palavras, defendeu-se:

— Não olheis para o meu pecado, mas para a fé que anima a minha crítica.

 

&&&

 

Dorgineudo nasceu quando o sertão sofria a pior seca do século. Cresceu miúdo e magro.

Apesar da pequena estatura e da magreza, aos dezoitos anos não lhe faltavam pretendentes.

Os rapazes de Licânia, enciumados, quiseram descobrir o segredo de Dorgineudo. Quando indagaram a Raimundinha do Pau Caído, ela, com um riso safado, revelou:

— O que Deus lhe tirou de altura lhe devolveu em macheza.

 

&&&

 

Percival Sumídio era capaz de escalar o Himalaia para descobrir um malfeito de um vizinho. No entanto era incapaz de subir um montículo de terra para fazer um bem a um amigo.

 

&&&

 

Quem não chora suas desventuras não será digno de sorrir no despontar de suas venturas.

 

*Clauder Arcanjo é escritor e editor, membro da Academia Norte-rio-grandense de Letras.