Pesquisa mostra queda de confiança dos brasileiros na imprensa

Pesquisa do PoderData indica que mais brasileiros não confiam na imprensa. Os que consideram as informações publicadas pelos veículos jornalísticos “pouco confiáveis” representam 23%. Os que avaliam as notícias como “nem um pouco confiáveis” são 7%.

A desconfiança do público (soma das duas respostas) em relação à mídia cresceu 10 pontos percentuais na comparação com o último levantamento realizado pela divisão de pesquisas do Poder360. Em outubro, eram 20% os que não confiavam na imprensa (17% diziam ser “pouco confiável” e 3% achavam ser “nem um pouco confiável”).

Para 68%, as notícias merecem confiança. Metade dos entrevistados (50%) afirma que a imprensa é “mais ou menos confiável”. Os 18% restantes a consideram “muito confiável”. Há pouco mais de 2 meses, eram 77% os confiantes. A queda mais acentuada foi entre a opinião neutra –de 11 pontos percentuais.

A pesquisa foi realizada pelo PoderData, divisão de estudos estatísticos do Poder360. A divulgação do levantamento é feita em parceria editorial com o Grupo Bandeirantes.

Os dados foram coletados de 21 a 23.dez.2020, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 470 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

Para chegar a 2.500 entrevistas que preencham proporcionalmente (conforme aparecem na sociedade) os grupos por sexo, idade, renda, escolaridade e localização geográfica, o PoderData faz dezenas de milhares de telefonemas. Muitas vezes, mais de 100 mil ligações até que sejam encontrados os entrevistados que representem de forma fiel o conjunto da população.

ESTRATIFICAÇÃO

A desconfiança em relação à imprensa é mais notada na região Norte do Brasil. Lá, são 43% que a consideram pouco ou nada confiável, segundo o PoderData. É o único recorte da pesquisa que mostra uma confiança menor que a metade (47%).

Os mais jovens também são mais céticos. Para 36% dos entrevistados de 16 a 24 anos a imprensa não é nem um pouco confiável. Há pouca variação na divisão por sexo e escolaridade.

Os brasileiros de classe média –que ganham de 5 a 10 salários mínimos– representam o grupo mais fiel ao trabalho dos jornalistas. Somam 31% de respostas positivas e 51% de neutras. Os ricos –que ganham mais de 10 salários mínimos– têm o mesmo percentual (82%).

Foto: Reprodução

Eis a estratificação completa:

AVALIAÇÃO DE BOLSONARO

A confiança na imprensa é maior entre quem desaprova o presidente Jair Bolsonaro. A proporção de brasileiros que confiam no setor é de 29% entre quem avalia o presidente como “ruim” ou “péssimo”. São 11 pontos a mais que o resultado geral.

Já entre quem avalia o presidente como “bom” ou “ótimo” as informações são confiáveis para 10%, numericamente o mesmo entre as avaliações regulares.

A desconfiança segue a mesma linha: 11% para bolsonaristas e 3% para críticos de Bolsonaro.

Foto: Reprodução

Apesar da desconfiança na imprensa ter crescido, mais de 3/4 da população segue utilizando os meios tradicionais de comunicação para se informar. A pesquisa do PoderData indica que 78% dos brasileiros se inteiram das notícias por meio de sites noticiosos, TV, jornais, revistas e rádio. A preferência por rede sociais atinge 19%.

Poder 360