Paulo Pinto

ISO 9000
Os irmãos George e Georgiano Azevedo comemoram as quase mil inscrições para o concurso Tráfego Look 2015. George comemora o feito e resolve o X da equação – o grande número de inscritos deve-se ao trabalho sério e a credibilidade da Tráfego, coisa rara ” no ramo” antes do aparecimento da sua agência. Ah! em 2015 o concurso acontecerá pela 22ª. vez e será realizado no dia 15 de dezembro.

EM CENA
Governo do Estado, RN Sustentával e Banco Mundial têm cinco milhões de reais para investir na recuperação de três teatros potiguares – o Alberto Maranhão, em Natal, o Adjuto Dias, em Caicó, e o Lauro Monte Filho, em Mossoró. Metade do valor será usado na recuperação do Teatro Alberto Maranhão. A outra metade será dividida entre as obras de restauração/recuperação dos teatros de Caicó e Mossoró. Quanto ao Lauro Monte Filho “será feito um distrato com a empresa que paralisou as obras do teatro. Em seguida faremos uma nova licitação para retomar a obra”, diz o presidente da Fundação José Augusto, Crispiniano Neto.

Curta-Metragem

@ Mudam de idade hoje e recebem os cumprimentos da coluna: Bernardo Azevedo, Jonas Filho, Vingt-un Rosado Neto, Ricardo Motta. Parabéns!

@ Adriano Pinto e Gracinha Gastão começaram a semana recebendo parabéns por mais um ano de vida. Vivas!

@ Depois que os blocos passarem pelo corredor da folia no Carnatal dezenas de baladas prometem esticar a folia da festa até as primeiras horas do day after.

@ Está marcado para o dia 28 (sábado) o Jantar da Família da Festa de Santa Luzia, um dos primeiros eventos do programa dos festejos da santa padroeira de Mossoró.

@ Chegamos à última semana de novembro e ainda não se pode ver nenhuma luz que lembre aos mossoroenses que o Natal está próximo.

@ Os torcedores do São Paulo se sentiram mais brasileiros do que a maioria dos brasileiros com o resultado do jogo de “consagração” do campeão Corinthians. O placar de 6 x 1 fez os são-paulinos reviverem a funesta partida entre Brasil e Alemanha.

@ “Não devemos resistir às tentações: elas podem não voltar.” MILLÔR FERNANDES