Palmeiras já viveu glória e drama após primeiros títulos da Copa do Brasil

Dois títulos importantes na história do Palmeiras, dois destinos completamente diferentes. Após a primeira conquista da Copa do Brasil, em 1998, o time alviverde alcançou sua maior glória: a Libertadores, já no ano seguinte. Em 2012, o time campeão não conseguiu evitar a queda para a Série B no Campeonato Brasileiro.

Na conquista da primeira Copa do Brasil, o Palmeiras vivia uma das melhores fases da história do clube. Seis meses antes de erguer a taça, o time, já sob o comando de Luiz Felipe Scolari, chegou à final do Brasileirão e foi derrotado pelo Vasco depois de dois empates sem gols.

Na temporada 1998, o clube ainda se reforçou ao contratar as estrelas gremistas Arce e Paulo Nunes, fundamentais para os títulos da Copa do Brasil e da Libertadores. Foi o atacante, por exemplo, que marcou o primeiro gol da final contra o Cruzeiro.

Na Libertadores, o Palmeiras ganhou mais dois reforços: o goleiro Marcos e o zagueiro Júnior Baiano. Além disso, manteve a base. Roque Júnior, Júnior, César Sampaio, Rogério, Alex, Zinho e Oséas faziam parte do time.

Pouco mais de 12 meses depois de conquistar a Copa do Brasil, o Palmeiras venceu a Libertadores. Na final, contra o Deportivo Cali, da Colômbia, sete jogadores da decisão do torneio nacional estavam em campo.

Em 27 anos, apenas mais três times campeões da Copa do Brasil conseguiram erguer a taça da Libertadores no ano seguinte: Grêmio (1995), Cruzeiro (1997) e Santos (2011).

Rebaixamento
O Palmeiras viveu uma situação totalmente diferente depois de 14 anos. Campeão da Copa do Brasil novamente com Felipão como técnico, o time foi rebaixado depois de apenas quatro meses.

Quando derrotou o Coritiba na final da competição de mata-mata, o Palmeiras ocupava a 18ª posição no Brasileirão, com cinco pontos em oito jogos (uma vitória, dois empates e cinco derrotas).

Na sequência do campeonato, o time não conseguiu reagir. Nas 30 partidas seguintes, a equipe só ficou fora da zona de rebaixamento em quatro rodadas (11ª, 12ª, 17ª e 18ª). Durante a campanha, o Palmeiras ainda perdeu o técnico.